Foto - Divulgação

A Boeing identificou um novo problema com o software do 737 MAX, projetado para monitorar o desempenho de outros sistemas durante a inicialização da aeronave, adicionando outro problema ao retorno dos voos comerciais com o MAX.

A questão é relativamente pequena, de acordo com um especialista em segurança da aviação, e não está relacionada ao sistema de controle de voo implicado como um fator que leva a dois acidentes. 

A Boeing diz que está trabalhando para corrigir o problema, que veio à tona durante uma revisão final do MAX pela Federal Aviation Administration (FAA) antes da certificação.

“Estamos cientes desse problema”, afirmou a Boeing em comunicado de 17 de janeiro. “Estamos fazendo as atualizações necessárias e trabalhando com a FAA na submissão dessa mudança e mantendo nossos clientes informados.”

A FAA não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A questão envolve o software que monitora vários outros sistemas. Ele garante que esses sistemas entrem em operação corretamente quando a eletricidade de uma fonte externa é fornecida pela aeronave, seja por energia no solo ou usando a unidade de energia auxiliar (APU) do 737 MAX, de acordo com a Boeing e fontes familiarizadas com o problema.

Um dos monitores do sistema estava funcionando incorretamente, diz a Boeing.


John Goglia, especialista em segurança da aviação, ex-mecânico de linhas aéreas e ex-membro do National Transportation Safety Board, descreve a questão como menor.

Ele diz que, se o sistema de software falhasse em detectar um problema nos sistemas do 737 MAX, os pilotos provavelmente ainda receberiam uma indicação dessa falha no cockpit.

 

Fonte: Reuters e FlightGlobal

 

DEIXE UMA RESPOSTA