Mitsubishi reduz ainda mais força de trabalho para certificar avião concorrente da Embraer

Mitsubishi

A Mitsubishi Heavy Industries (MHI) anunciou hoje (30) que vai reduzir ainda mais o orçamento para o seu novo avião, o SpaceJet. Boa parte das atividades serão paralisadas, enquanto a empresa pondera sobre um “possível reinício do programa”.

O que será pausado serão as atividades relacionadas ao desenvolvimento da linha de base, a variante M90 ​​de 90 lugares. Vale ressaltar que a própria Mitsubishi já tinha paralisado o desenvolvimento da versão M100, de 75 assentos, e voltada para um dos principais mercados do mundo, a aviação regional dos EUA.

A Mitsubishi, no entanto, continuará com os esforços de documentação de certificação, sem operar voos de certificação. 

“Vamos trabalhar para revisar nossa posição, fazer melhorias e avaliar uma possível reinicialização do programa”, acrescenta a empresa.

O grupo Mitsubishi irá “transferir o investimento da SpaceJet” para outras áreas de novo crescimento, como mobilidade e logística.

A MHI ainda afirmou que, a partir do AF2021, expandirá a área de negócios de MRO e “garantirá sinergias” em várias unidades de sua divisão de sistemas de aviação comercial.

A MHI ainda disse que reduzirá pela metade sua força de trabalho em seus negócios de aviação comercial até 2022, pois adota a automação para reduzir custos. Não deu mais detalhes.


Foto: Aeronaves Mitsubishi

O desenvolvimento de todas as variantes da família SpaceJet já estava em atraso, e com essas decisões da Mitsubishi o programa de certificação dessas aeronaves deve sofrer um novo atraso.

A MHI disse que o impacto do coronavírus, que atingiu a empresa em março e abril, a forçou a suspender os voos de teste de certificação de tipo em suas instalações de Moses Lake nos EUA. 

O primeiro voo de um protótipo do M90 adequado para certificação, com todas as atualizações, precisou ser adiado como resultado do surto.

Anteriormente a primeira entrega de uma aeronave M90 deveria ocorrer em meados de 2021 para a All Nippon Airways, mas este prazo parece cada vez mais impossível de ser atingido. Vale ressaltar que anteriormente a MHI adiou por diversas vezes a primeira entrega do M90.

O M90 é um concorrente direto do novo E175-E2 da Embraer, que será certificado em breve.

Existem agora cerca de 163 pedidos para a aeronave regional que suporta até 100 passageiros a bordo, com outras 124 opções de compra. O projeto é visto como um grande triunfo para o retorno do Japão ao mercado de aviões comerciais.

 

DEIXE UMA RESPOSTA