NASA Helicóptero Ingenuity Marte
Foto: Ilustração por NASA/JPL

A NASA decidiu continuar realizando voos com o pequeno helicóptero Ingenuity, o primeiro a voar em Marte. O veículo marciano voador teve uma falha recente em seu sistema de navegação, impedindo voos muito longos e longe do rover Perseverance.

De acordo com os engenheiros da agência, o helicóptero Ingenuity enfrentou condições de amplitude de temperatura, encarando várias noites frias em Marte, com temperaturas de até -80º C. Esta condição causou danos nos sistemas do pequeno veículo voador marciano, e por este motivo um sensor que mede a inclinação está completamente inativo.

O inclinômetro é responsável por fornecer ao software de voo do Ingenuity os dados gravimétricos antes da decolagem.

Esses dados permitem que o Ingenuity determine sua posição em relação à força descendente da gravidade de Marte e permite cálculos da rotação e inclinação do veículo antes da decolagem, explicou o piloto-chefe do Ingenuity, Håvard Grip, do JPL, na atualização de status.

Sem esses dados iniciais, o software do veículo não pode determinar a orientação adequada do Ingenuity durante o voo. Mas os engenheiros da NASA já pensaram anteriormente nessa condição, e antes mesmo da decolagem do rover e do helicóptero da Terra, um pacote de atualização de software foi preparado para cobrir falhas em sensores, incluindo do “inclinômetro”.

Rover Perseverance e o mini-helicóptero Ingenuity- Foto: NASA

Através de um comando do Jet Propulsion Laboratory (JPL) o software do helicóptero foi atualizado, utilizando o rover Perseverance, e o Ingenuity já está pronto para retomar os voos em Marte, um marco para humanidade atingido em 2021, considerando as condições inóspitas e a menor gravidade do planeta vizinho.

Quando o Ingenuity está voando, o sistema de controle de voo a bordo acompanha de perto a posição, velocidade e orientação atuais do helicóptero. Ele faz isso com a ajuda de um conjunto de sensores composto por:

  • Uma unidade de medida inercial (IMU), que mede acelerações e taxas angulares em três direções.
  • Um telêmetro a laser, que mede a distância até o solo.
  • Uma câmera de navegação, que tira fotos do solo abaixo.

Os dados desses sensores são processados ​​por um conjunto de algoritmos implementados no computador de navegação do Ingenuity. Para que os algoritmos funcionem corretamente, eles devem ser inicializados antes da decolagem com uma estimativa da atitude de rolagem e inclinação do Ingenuity. É aí que entra o inclinômetro.

O inclinômetro é composto por dois acelerômetros, cuja única finalidade é medir a gravidade antes do giro e da decolagem; a direção da gravidade detectada é usada para determinar como o Ingenuity é orientado em relação à direção descendente. 

O inclinômetro não é usado durante o voo em si, mas sem ele os engenheiros da NASA são forçados a encontrar uma nova maneira de inicializar os algoritmos de navegação antes da decolagem. Agora o Ingenuity está retirando esses dados de outro sistema, que também tem acelerômetros, mas não foi projetado especificamente para essa função.

O Ingenuity fez seu primeiro voo em abril de 2021, e já realizou 28 missões em Marte, superando a expectativa dos cientistas da NASA.