Enquanto a Voyager 1 vaga livremente pela nossa galáxia, já que a sonda se encontra fora do Sistema Solar, a NASA tem uma outra desconfiança, possivelmente a Voyager 2 está tomando o mesmo rumo.

A Voyager 2 está registrando o mesmo efeito sentido pela Voyager 1, quando a mesma começou a sair do Sistema Solar em 2012. Nesse ponto, quando a sonda está passando pela Heliopausa, há um aumento na taxa de raios cósmicos, por conta do acúmulo de radiação solar nessa região, que delimita a fronteira entre o nosso Sistema Solar e o restante da galáxia.

Do início ao final de agosto houve um aumento de 5% na taxa e radiação cósmica recebida pela sonda Voyager 2. Lançada em 1977, a Voyager 2 está a pouco menos de 11 bilhões de quilômetros da Terra, ou mais de 118 vezes a distância da Terra ao Sol.

No entanto a NASA ainda vai aguardar alguns meses para descobrir se essa alta de radiação cósmica vai diminuir, assim como na Voyager 1, por fazer uma trajetória diferente, possivelmente a Voyager 2 pode experimentar uma linha de tempo de saída diferente da Voyager 1.

Vale ressaltar que a Voyager 1 demorou aproximadamente três meses para ultrapassar a heliosfera, pela velocidade que a sonda viaja, podemos afirmar que é uma zona bem grande do nosso Sistema Solar.

“Estamos vendo uma mudança no ambiente ao redor da Voyager 2, não há dúvida sobre isso”, disse o cientista do Projeto Voyager, Ed Stone, baseado no Caltech, em Pasadena. “Vamos aprender muito nos próximos meses, mas ainda não sabemos quando chegaremos à heliopausa. Ainda não estamos lá – isso é uma coisa que posso dizer com confiança”.

Nós já criamos um artigo completo descrevendo toda a história das sondas Voyager 1 e 2. Clique Aqui para acessar o artigo e conhecer mais sobre esse projeto.