Neeleman rejeita acordo de auxílio à TAP, que se encaminha para a estatização

O Governo de Portugal encaminhará a companhia aérea TAP Air Portugal, e sua subsidiária Portugália Airlines, para uma nacionalização.

A decisão foi tomada visto que o principal acionista privado da empresa, David Neeleman, negou um acordo com o Governo de Portugal para um auxílio de emergência.

O auxílio negociado era no valor de 1,2 bilhão de euros, de acordo com postagens anteriores do Portal Aeroflap. Além disso, várias condições agressivas foram impostas pelo Governo de Portugal, como o pagamento da dívida em 6 meses.

Amanhã, dia 02 de julho, um conselho de ministro entrará em reunião para definir os próximos passos da nacionalização, e se ela pode ocorrer com a presença de acionistas privados, porém controle estatal na TAP.

O consórcio Atlantic Gateway, que tem 45% da TAP, é composto de uma participação acionária majoritária de David Neeleman, com a presença do empresário português Humberto Pedrosa, e uma participação direta da Azul de 5% na TAP, através deste consórcio.

O Governo de Portugal detém o controle de 50% da companhia, e os funcionários cerca de 5%.

“A razão da rutura do Governo prendem-se com o facto de Neeleman não ter aceite as condições impostas pelo Executivo para financiar a empresa em 1. 200 milhões (bilhões no Brasil) de euros”, escreveu o DN-Lisboa.


 

DEIXE UMA RESPOSTA