Norwegian Boeing 737 MAX Covid-19
A Norwegian tinha 18 jatos Max em serviço no momento do aterramento global da aeronave

A companhia norueguesa, Norwegian, vai de desfazer de todos os seus Boeings 737 MAX para manter o foco apenas no 737NG. Há algumas semanas a empresa havia informado que iria reduzir sua quantidade de 737 MAX em 12 aeronaves, entretanto agora serão retiradas todas.

O anuncio surpreendente chega através do diretor financeiro da Norwegian, Geir Karlsen, que divulgou a notícia da retirada de todos os 737 MAX da frota da companhia aérea. O surpreendente é que a Norwegian foi a primeira companhia europeia a fazer uma encomenda para o 737 MAX.

Em 2012, a companhia aérea fez um pedido firme para incialmente 100 aeronaves 737 MAX, dessas tendo recebidas 18. No ano passado, em acordo com a Boeing cancelou boa parte dos pedidos e manteve alguns até o dia de hoje(03). A Norwegian ainda irá negociar com a Boeing sobre o cancelamento total dessas aeronaves.

O primeiro Boeing 737 MAX foi recebido em 2017, até então a companhia colocava muita expectativa nos novos aviões pois esperava reduzir seus custos operacionais e lançar novas rotas. 

Mais um golpe para a Boeing em relação ao 737 MAX, em uma das empresas que mais possuía encomendas para o modelo. A pandemia fez com que a empresa se desfizesse de vários planos de expansão incluindo o de voos longos, hoje o foco da empresa estará totalmente na Europa e vai manter o 737-800 em sua frota.

A companhia aérea estocou desde março de 2020, todos os seus Boeings 787 tanto da versão -8 como da versão -9. A principio a empresa não irá retomar as operações com nenhuma aeronave de porte grande, mantendo sua operação apenas no 737-800.

Sobrou até para a Airbus

Recentemente a Norwegian também cancelou uma grande encomenda de aeronaves da Airbus. Ao todo foram cancelados pelo menos 100 pedidos, sendo para as aeronaves Airbus A320neo e A321LR. O A321LR seria utilizado para rotas longas transatlânticas juntamente com o Boeing 787.

O motivo do cancelamento é o mesmo que foi com a Boeing, a crise da Covid-19 na aviação e na demanda de viagens afetou gravemente o caixa da companhia aérea. Agora a empresa está passando por um processo de reestruturação completa, por isso teve de reduzir e muito suas operações.