Jet Airways
Foto Francis Mascarenhas / Reuters

(Reuters) – A ‘nova’ Jet Airways que agora é controlada pelo empresário Murari Lal Jalan, está negociando com a Airbus e a Boeing sobre a aquisição de novas aeronaves, o pedido será de aproximadamente US$ 12 bilhões.

A Jet Airways da Índia agora controlada pelo empresário Murari Lal Jalan dos Emirados Árabes em parceria com o fundo de investimentos do Reino Unido Kalrock Capital, disseram à Bloomberg que a empresa poderia comprar até 100 aeronaves novas.

Como parte da reformulação, a empresa irá receber US$ 200 milhões em ações e também para quitar dividas ao longos dos próximos meses. O plano de recuperação da Jet Airways foi aprovado pelo Tribunal de Falências da Índia em junho desse ano, estima-se que a ‘nova’ empresa irá iniciar suas operações no primeiro trimestre de 2022.

A companhia aérea indiana já foi a maior do país, porém deixou de voar em 2019 em um colapso financeiro, deixando grandes dívidas e milhares de funcionários desempregados. 

A Jet Airways ainda precisa conseguir seu novo Certificado de Operador Aéreo, que foi suspenso em 2019. Até o momento a companhia já contratou pouco mais de 150 funcionários para trabalhar até próximo do reinicio das operações, esse número deverá aumentar para 1000 quando a empresa já estiver operando.

Entre as principais mudanças está também a mudança da base principal, que até 2019 tinha a cidade de Mumbai, o principal centro do comércio da Índia, agora passará a ser a cidade de Delhi. Mesmo com a mudança da principal base, a Jet Airways garantiu que ainda irá manter uma grande frequência de voos em Mumbai. 

O executivo Murari Lal Jalan que faz parte do grupo Kalrock-Jalan que administra a companhia indiana, detalhou o planejamento da empresa para os próximos anos. 

“A Jet Airways 2.0 visa reiniciar as operações domésticas até o 1º trimestre de 2022 e as operações internacionais de curta distância até o 3ºT / 4º trimestre de 2022. Nosso plano é ter mais de 50 aeronaves em 3 anos e mais de 100 em 5 anos, o que também se encaixa perfeitamente com as aeronaves curtas – plano de negócios de longo prazo e prazo do Consórcio.” Disse o executivo em meados de setembro.

 

Fonte: Reuters

DEIXE UMA RESPOSTA