O que explica o crescimento rápido da American em relação às concorrentes?

A American Airlines quer uma rápida recuperação da crise do coronavírus. A empresa estará restaurando cerca de 55% da capacidade de assentos domésticos em julho, muito mais que os 30% da United ou 21% da Delta, que ainda estão apostando no isolamento social a bordo.

É raro uma companhia aérea dos EUA divergir de suas concorrentes com tanto otimismo, especialmente entre as principais aéreas norte-americanas.

“Os grandes centros ganham”, disse o CEO americano Doug Parker. “Somos absolutamente beneficiados pelo fato de que dois dos três maiores centros do mundo são nossos, que são Dallas / Fort Worth e Charlotte”, completou Parker.

Cerca de dois terços dos voos da American em julho partem ou chegam a Dallas ou Charlotte, de acordo com os horários publicados pela Consultoria OAG. Apenas 36% dos voos da American Airlines não fazem parte deste hub em julho, estes são os mais lucrativos, de acordo com a American.

“É uma estratégia de aspirador de pó”, disse o analista de viagens Henry Harteveldt, do Atmosphere Research Group. “Eles só querem absorver o tráfego que existe por aí”.

Cada voo adicional em um hub gera mais oportunidades de conexão a apenas custos incrementais, impulsionando o crescimento da oferta. Os hubs, calculados no tráfego de conexão, diferem de uma lista simples de quais aeroportos dos EUA têm mais passageiros.

“É muito arriscado, mas há uma recompensa”, disse Harteveldt. “Das quatro grandes, a American está dizendo que vamos tentar. Eles estão sendo criativos. Eu sou respeitoso”, completou.


“Alguns de nossos concorrentes estão voando a maior malha em julho do que somos capazes, com a venda de passagens com preços extremamente baixos, e desperdiçar dinheiro”, disse a United para seus empregados.

O pessimismo do United realça as especulações do CEO Scott Kirby, depois de ser forçado a sair do país, quer justificativa: melhor seguro e conservador do que grande e arrependido.

Kirby pode estar ouvindo de que, se uma companhia aérea não puder garantir tarifas, poderá controlar a capacidade. Enquanto a American provavelmente ainda está descontando, o analista da Cowen, Helane Becker, disse em nota de pesquisa que o United está voando menos, mas “trabalhando para manter os preços”.

A American registra uma queima de caixa diária de US$ 70 milhões no segundo trimestre, em comparação com os US$ 50 milhões da Delta e os US$ 40-45 milhões da United, estima o JP Morgan.

A logica pode até ser simples: Se a American vai perder dinheiro mantendo um avião em solo, poderia apostar em oferecer voos, esperando que a receita exceda os custos adicionais, como taxas de combustível e aeroportuárias.

“Será uma estratégia lucrativa? Talvez não seja necessariamente lucrativo, mas reduz a queima de caixa”, afirmou Harteveldt. “Ajudando a equação, o governo paga pelos custos de mão-de-obra das companhias aéreas até 30 de setembro.”

Outras explicações para o otimismo da American se baseiam na cultura e na política. Os maiores centros da América estão nos estados republicanos e os republicanos estão mais dispostos a viajar, segundo uma pesquisa.

Esta pode ser uma vantagem, no entanto, o cidadão norte-americano pode estar voando em julho só por necessidade.

 

Via – Forbes

DEIXE UMA RESPOSTA