Operadores de helicóptero fornecem serviços vitais para combater a pandemia de COVID-19

Como resultado da atual crise de saúde, muitos operadores de helicóptero na América Latina se viram na vanguarda da luta contra a pandemia e estão desempenhando um papel essencial no apoio aos esforços de seus países no combate ao vírus. Muitos operadores estão fornecendo transporte médico de emergência para pacientes em estado grave, enquanto alguns estão apoiando autoridades com o transporte de profissionais de saúde e kits de teste.

Outros também foram fundamentais na distribuição de alimentos e medicamentos para as
comunidades mais vulneráveis ​​e isoladas. O que todos eles têm em comum é seu
compromisso inabalável de apoiar seus concidadãos durante um período difícil e desafiador.

A rotina diária da Coordenação de Operações Aéreas do COA no Rio de Janeiro foi bastante
afetada pela crise. Antes do surto, as operações do COA envolviam o transporte do governador e de seus associados próximos. Com a chegada da pandemia, a equipe agora está apoiando o Corpo de Bombeiros Militares do Estado para realizar o transporte inter-hospitalar de pacientes com COVID-19 em seu helicóptero H135.

Para isolar um paciente dentro da cabine do H135, o COA usa uma maca com uma capa
protetora que protege eficientemente a tripulação e o equipamento médico. O dispositivo
também contribui para reduzir o tempo de desinfecção da aeronave entre as missões.

A cerca de 1.200 km ao sul do Rio de Janeiro, no Paraná, o Batalhão de Operações Aéreas da Polícia Militar do Estado (BPMOA) também adotou novos protocolos para proteger as
tripulações de sua frota H130, que localmente são chamados de Falcões.

Normalmente, o BPMOA realiza uma ampla variedade de missões, como evacuação médica,
busca e salvamento, missões policiais e combate a incêndios. No entanto, nos últimos meses, toda a sua frota de helicópteros foi designada para apoiar a Secretaria de Estado da Saúde com o transporte do teste de rastreamento da COVID-19 e vacinas contra H1N1 para os 399 municípios do estado, que abrange 199.299 km 2.

Cobrir um território tão vasto com a urgência da crise tem sido um desafio para a tripulação, que também teve que adaptar rapidamente a cabine da aeronave para lidar com novas missões. Ao remover todos os assentos, uma cabine espaçosa é revelada, permitindo a transformação do helicóptero normalmente usado para transporte de passageiros em um
helicóptero de carga.


No Chile, a Aviação Naval participa dos esforços do país para combater a COVID-19 com suas frotas Super Puma AS332L, Dauphin AS365 e BO105. Após a crise da saúde, eles expandiram suas operações, dedicadas principalmente a missões de busca e resgate e evacuação médica, para incluir também voos de patrulha e transporte de pessoal e equipamentos médicos.

No início de abril, a equipe de helicópteros do AS365 transportou dois profissionais de saúdeda região sul de Magalhães para Puerto Edén, uma das aldeias mais isoladas do Chile, na ilhade Wellington, perto da Antártida, para examinar a população e isolar possíveis casos.

Em julho, o BO105 da Marinha voou para a cidade de Puerto Williams, na região antártica do Chile, para oferecer à população local exames médicos e instruções para se proteger da
COVID-19.

 

DEIXE UMA RESPOSTA