F-16 FAP OTAN Islândia Portugal
Caças F-16AM da FAP sobrevoando a Islândia durante a missão de Policiamento Aéreo da Islândia. Foto: FAP/OTAN

A Força Aérea Portuguesa (FAP) concluiu no dia 31/03 sua participação na missão de policiamento aéreo da OTAN na Islândia. O destacamento de quatro caças F-16AM/BM Fighting Falcon do Esquadrão 301 está retornando ao país, após oito semanas operando a partir do aeroporto de Keflavik. 

As aeronaves e 155 militares da FAP chegaram ao país no final de janeiro para se familiarizar com o ambiente gelado e o espaço aéreo local. Concluída esta fase, a FAP assumiu a missão no início de fevereiro. 

F-16 piloto Portugal OTAN
OTAN/Divulgação.

Durante o desdobramento, os membros da FAP trabalharam em conjunto com a Guarda Costeira Islandesa e o Centro de Operações Aéreas Conjuntas da OTAN em Uedem, na Alemanha.

 

Durante a sua presença em Keflavik, as aeronaves F-16 do Destacamento Português, comandadas pelo Major João Gonçalves, completaram 260 horas de voo nos céus do Alto Norte, integrando-se nas estruturas defensivas coletivas da OTAN e estabelecendo capacidade de vigilância aérea e interceptação sobre a Islândia. 

“O grande apoio da nação anfitriã garantiu um desdobramento tranquilo e gratificante”, sublinhou o Major Gonçalves. 

Foto: FAP/OTAN.

“O maior desafio que enfrentamos durante esses dois meses foi definitivamente as condições climáticas severas. O inverno islandês proporcionou grande valor de treinamento para nosso pessoal de terra e pilotos; eles tiveram que operar em condições extremas durante esses dois meses para manter uma frota de F-16 operacional”, ele adicionou.

A missão de preparação em tempos de paz na Islândia geralmente envolve o desdobramento de aliados para Keflavik por várias semanas.

Uma vez instalados, eles executam a missão da OTAN no espaço aéreo islandês, para garantir que a Aliança possa realizar atividades de policiamento aéreo em tempo de paz em grande escala no menor prazo possível, se exigido por eventos do mundo real. 

Foto: FAP/OTAN.

Esta foi a segunda vez que Portugal participou na missão desde 2012, demonstrando coesão entre os membros de toda a Aliança, destacou o Comando Aéreo Aliado da OTAN. 

O Policiamento Aéreo Islandês ocorre desde 2008, quando a Força Aérea Francesa realizou o primeiro desdobramento em Keflavik com quatro caças Mirage 2000. Em 2006, a Islândia, que não tem uma força aérea, solicitou apoio da OTAN após uma série de incursões russas em seu espaço aéreo, seguindo o encerramento da presença permanente de caças dos EUA no país. 

Desde então, o seguintes países já enviaram caças ao país: Dinamarca, Noruega, Canadá, Portugal, França, Estados Unidos, Itália, Polônia, Reino Unido, Alemanha e República Tcheca. A Força Aérea Italiana foi a primeira a levar o caça stealth F-35 para a missão, no seu desdobramento de 2019.