Certamente você já deve ter ouvido falar na icônica  companhia aérea americana chamada Pan American Airways ou simplesmente Pan Am. Quando se vem o nome dessa empresa a mente, logo se lembra dos melhores anos da aviação.

Os serviços da Pan Am faziam com que o passageiro se sentisse sempre em um serviço 5 estrelas no ar. Nascida em 1927, a companhia viria a se tornar uma das empresas mais conhecidas do mundo, lembrada principalmente pelo exemplar serviço e atendimento de seus tripulantes.

A companhia também foi uma das primeiras no mundo a dar nome de batismo a suas aeronaves, hoje que é algo bem comum. Um marco importante da Pan Am para o Brasil, foi que a companhia americana fez o voo inaugural do Aeroporto Internacional de Brasília em 1957. O voo 201 chegava de New York operado com um Lockheed Super Constellation.

Infelizmente devido a diversos problemas financeiros no inicio da década de 80, a Pan Am começou a entrar em sérios problemas. Não durou muito e em 1991 a empresa deixa de voar e coloca um ponto final a sua bonita e honrosa história, pelo menos em linha aérea regular.

 

Surgimento de um sonho

Um das maneiras de preservar a história da aviação de qualquer que seja a empresa é manter alguma aeronave com a pintura original ou que remete a antiga empresa. No Brasil, temos alguns Boeings 737-200ADV que foram comprados e restaurados com a pintura da Vasp, da Força Aérea Brasileira, entre outros.

Lembram-se do Fokker 100 da Avianca Brasil que fez um pouso de emergência no Aeroporto de Brasília sem o trem de pouso dianteiro em 2014? Pois bem, essa aeronave ficou impossibilitada de voltar a voar e parecia um destino já traçado.

O Fokker 100 de matrícula PR-OAF deixou de voar em 2014 entretanto, por ainda ter boas condições em algumas peças, a Avianca retirou várias partes do mesmo para colocar em outros Fokkers. Visto que o F-100 não é fabricado desde a década de 90, então o mercado estaria escasso de peças para essas aeronaves.

Foto: Gabriel Melo

De 2014 a 2020 a aeronave se tornou obsoleta e acabou sendo considerado “entulho” no Aeroporto de Brasília. Com a falência da Avianca Brasil, os bens que ainda restavam não serviria para muita coisa e o Aeroporto sendo reformado e planejando uma possível expansão precisaria retirar o que restava.

Em meados de Setembro, o PR-OAF foi doado a um novo projeto ambicioso e diferente para dar uma nova vida a esse avião abandonado. O projeto chamado Pan Am Experience Brazil tem como mentor Ricardo Espindola, um chef de cozinha com grandes ideias para o projeto.

Ricardo é um amante da aviação e também da gastronomia, o que fez ter uma ideia bem diferente para o projeto da Pan Am Experience. O projeto existe desde 2019, com o foco voltado para arrecadar fundo e ajudar crianças carentes e outros projetos sociais. A Pan Am era operada anteriormente em uma estrutura menor com base de madeira.

O mesmo espaço foi utilizado para dar treinamentos a comissários de bordo de uma escola de aviação em Brasília. Conforme nós relatamos nas primeiras visitas ao espaço aonde o Fokker está, em uma Igreja na 603 Sul quase no Centro de Brasília, fomos convidados a degustar um pouco do que será a experiência gastronômica a bordo do Fokker.

 

Os anos de ouro da aviação de volta

No dia 3 de dezembro, a Pan Experience Brazil realizou um convite para imprensa, entusiastas da aviação e claro conhecedores da gastronomia. O convite foi para degustarmos um pouco do que será servido a bordo do Fokker 100 da Pan Am, lembrando que todo o serviço segue o padrão da própria companhia americana.

O serviço será de acordo com a localidade escolhida pelo passageiro, e terá até mesmo bilhete com nome, horário e destino. Haverá as divisões entre a Classe Econômica e a Primeira Classe.

Como o intuito é trazer uma experiência de voo juntamente com uma experiência gastronômica diferente, os passageiros serão servidos por tripulantes uniformizados igualmente quando a Pan Am operava.

Como o padrão da antiga companhia prezava pelo luxo e extremo conforto a bordo, a Pan Am Experience seguiu a mesma linha. O serviço de bordo trará as entradas, o prato principal, e por fim a sobremesa. Tudo acompanhado de água, vinho e a bebida a escolha do passageiro.

A Entrada: Camarões ao Aioli de abacate
Creme de Abóbora cabotiá com especiarias
Principal Clipper First: Cupim braseado ao molho roti, folhas de mandioquinha e aspargos salteados

Supremo de frango recheado com abobrinha e bacon e mousseline de mandioquinha
Sobremesa: Torta de chocolate e fondant de leite ao toque de flor de sal

Ao longo do evento, recebemos alguns mimos que serão distribuídos aos passageiros quando estiverem a bordo.

O Fokker 100

Se a bordo com todos os serviços impecáveis e trazendo realmente a experiência de estar em voo com a Pan Am, o Fokker 100 está sendo muito bem preparado para tornar essa experiência ainda mais marcante.

Internamente o avião já possui a cara da nova operadora, a Pan Am. O carpete azul no tom mais claro, as luzes em LED que mudam de cor, e os assentos já no tom da empresa remetem profundamente que esses futuros voos serão eternizados por quem vivenciar essa experiência.

As partes internas do avião como os Bins, janelas, paredes e galleys foram completamente limpas e reformuladas e estavam praticamente novas. Este redator viajou em alguns Fokkers e em especial na Avianca Brasil(OceanAir) e a sensação de entrar e ouvir sons que mostram o avião ligado, parece estar mesmo indo voar, um filme passa a cabeça.

Por fora o avião ainda não ganhou a pintura clássica da Pan Am, isso porque esta será a última etapa a ser feita. O período de chuvas em Brasília atrapalhariam todo o processo de remoção da pintura da Avianca e a aplicação da nova. Ricardo nos informou que esse processo será feito ainda esse mês de dezembro com termino previsto para final de janeiro.

Em março de 2021 será a grande inauguração da Pan Experience a bordo do Fokker 100, a aeronave receberá um nome de batismo que foi escolhido por votação e ainda não foi divulgado. Além disso, o avião receberá uma ‘nova matrícula’.

O Fokker ainda terá as carenagens dos motores instaladas e pintadas, além claro das asas. Pelo espaço que foi destinado a ele, apenas uma das asas estará inteira, que será do lado esquerdo. Ricardo nos disse que com relação ao cockpit, tentaram resgatar ao máximo colocando peças e fabricando para dar o máximo de realidade.

Importante lembrar que os componentes do Cockpit, trens de pouso, motores e outras partes já foram retiradas do PR-OAF pois ainda tinham valor de mercado e foram úteis.

A restauração dessa aeronave, que veio originalmente da American Airlines e passou pela OceanAir e posteriormente Avianca Brasil, realça a esperança de manter viva a historia da aviação. Para amantes e entusiastas da aviação foi um presente e tanto, torcemos para que mais projetos desses se tornem realidades, pois tanto o Fokker tanto outras aeronaves carregam muitas histórias que precisam ser compartilhadas.

 

DEIXE UMA RESPOSTA