Linha de produção do F-35. Foto via Business Insider.

(Reuters) – A Lockheed Martin Corporation não atingiu as estimativas de lucro pela primeira vez nos últimos oito trimestres, quando a pandemia de COVID-19 interrompeu as entregas de jatos F-35 da fabricante de armas dos EUA e causou atrasos nos fornecedores.

As ações da empresa caíram cerca de 2,3% depois que ela disse que as entregas de seus jatos F-35 no quarto trimestre caíram de 51 no ano anterior para 42.

Os democratas progressistas no Congresso pediram cortes nos gastos militares em meio à crise global de saúde, embora analistas tenham dito que mudanças repentinas são improváveis ​​em um setor que apoiou incontáveis ​​empregos durante a recessão.

Os analistas, no entanto, estavam otimistas sobre as perspectivas da Lockheed, citando o forte balanço da empresa e a demanda por suas ofertas.

F-35I Adir da Força Aérea de Israel. Foto: IAF

O movimento da Lockheed para aumentar seu caixa para o ano inteiro s de operações para pelo menos US$ 8,30 bilhões de US$ 8,1 bilhões anteriores, junto com uma carteira robusta, mostra que o setor de defesa continua a ser um negócio muito resiliente, disse um analista da Vertical Research Partners.

A Lockheed  assinou acordos com os Emirados Árabes Unidos, Japão e Taiwan no último trimestre, enquanto Israel disse no início deste mês que estava procurando expandir sua frota de caças F-35.

“O negócio de mísseis permaneceu sólido, auxiliado pelos gastos com defesa global”, disse Jeff Windau, analista da Edward Jones, por e-mail. A unidade de mísseis e controle de fogo da Lockheed, que fabrica defesas antimísseis como o Terminal High Altitude Area Defense (THAAD), viram as vendas do quarto trimestre aumentarem US$ 97 milhões, ou 4% em relação ao mesmo período do ano anterior, apesar dos ventos contrários da pandemia em andamento.

Sistema THAAD. Foto via Forbes.

A Lockheed agora espera uma receita em 2021 entre US $67,10 bilhões a US $68,50 bilhões, em linha com a expectativa dos analistas de receita de cerca de US$ 68,04 bilhões, segundo dados IBES da Refinitiv.

Os ganhos do ano inteiro para 2021 devem ficar na faixa de US$ 26,00 a US$ 26,30 por ação, acima da expectativa média dos analistas de US$ 26,13 por ação. O lucro líquido subiu para US$ 1,79 bilhão, ou US$ 6,38 por ação, no quarto trimestre encerrado em 31 de dezembro, de US$ 1,5 bilhão, ou US$ 5,29 por ação, um ano antes.

Os analistas, em média, esperavam lucro líquido de US$ 6,41 por ação. As vendas líquidas aumentaram 7,3%, para US$ 17,03 bilhões, acima das estimativas de US$ 16,92 bilhões.