Através de um informe interno, a Passaredo Transportes Aéreos comunicou que desfez o contrato assinado anteriormente com o Grupo Itapemirim, controlado pelos empresários Sidnei Piva de Jesus e Camila Valdívia.

De acordo com os atuais controladores da Passaredo o principal motivo foi o “não cumprimento das condições precedentes estabelecidas em contrato”, essa nota da empresa é referente ao pagamento de um valor não divulgado em um prazo de até 60 dias, mas esse pagamento não ocorreu e os atuais sócios da Passaredo desfizeram o negócio.

Mesmo assim a Passaredo se mantém atualmente fora do estado de recuperação judicial, em que saiu recentemente, enquanto ainda fazia acordos com o Grupo Itapemirim, sem as limitações do processo a companhia poderá expandir sua frota e seus voos.

Já a Itapemirim tinha como meta na Passaredo conseguir fazer uma perfeita integração entre o transporte rodoviário e aéreo, na época a empresa falou de adicionar até 13 aeronaves na frota da companhia, que atualmente só tem 7 ATRs em operação.

A Passaredo continuará operando voos para 20 cidades e transportando cerca de 800 mil passageiros por ano sem a expansão de frota.