Aeroporto de Congonhas
Foto - Infraero

O Aeroporto de Congonhas em São Paulo é um dos terminais mais movimentados do país, porém é limitado devido a infraestrutura e também por questões de segurança já que o terminal tem diversas casas e prédios ao seu redor.

A Infraero, empresa estatal que atualmente administra o Aeroporto de Congonhas pediu para que a capacidade operacional do terminal fosse ampliada de 3 a 4 operações por hora. Atualmente a capacidade é de 32 à 33 pousos e decolagens por hora segundo relata o Estadão/Broadcast

O governo visando um maior movimento no terminal busca viabilizar o mais rápido possível a autorização para ampliar a capacidade por hora de Congonhas mas as companhias aéreas GOL e LATAM que são representadas pela ABEAR não ‘acham uma boa ideia’ no momento.

Para as companhias aéreas a infraestrutura do Aeroporto de Congonhas está saturada, e a ABEAR segue o mesmo sentido dizendo que o terminal precisa de investimentos significativos no terminal de passageiros mas reforça dizendo que a ampliação é segura devido aos recentes investimentos.

Um pouco na contramão, o governo entende que os investimentos realizados pela Infraero em Congonhas já estão suficientes para uma ampliação de operações por hora. A administradora também segue a mesma linha de pensamento.

Com a futura concessão de Congonhas, novos investimentos tanto no terminal de passageiros e na infraestrutura serão feitos e com isso a movimentação poderá passar para 44 pousos e decolagens por hora. O futuro projeto está avaliado em R$ 3,3 bilhões em investimentos.

Por outro lado há o debate que o aumento de capacidade do Aeroporto de Congonhas possibilita outras empresas como a Azul ampliar suas operações no terminal, algo que é um desejo antigo da companhia.

Através do LinkedIn, o CEO da LATAM Airlines disse que o esforço da Infraero em aumentar a capacidade do terminal central de São Paulo se daria pela vontade do governo em aumentar a atratividade de Congonhas para os futuros investidores no leilão.

Segundo o Estadão/Broadcast, os técnicos que estão avaliando as condições para essa ampliação não concordam com os pontos apresentados pelas empresas e pela ABEAR. Os técnicos indicaram que não há nenhum estudo que comprove que o terminal seria um empecilho para a ampliação das operações.

A ANAC, Agência Nacional de Aviação Civil está avaliando todas as condições internamente e entende segundo apurou o Estadão/Broadcast, que o aumento da capacidade iria estimular a concorrência em Congonhas.

Se aprovada a ampliação, caso seja constatada a necessidade de ajustes, a Infraero teria até meados do próximo ano para ajustar. A ampliação da capacidade operacional do Aeroporto de Congonhas só poderia ser implementada a partir do próximo ano.

A Infraero ainda vai enviar alguns dados restantes como a atualização do plano de zoneamento de ruído, algo que a administradora tem trabalhado durante o período de alta temporada.

 

 

Com informações do Estadão