Imagem: Daily Sabah.

Apresentando os resultados de sua última pesquisa, realizada com 4700 passageiros que viajaram recentemente, a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA) apontou que os passageiros estão mais confiantes com o retorno às viagens aéreas, estão frustrados com as restrições atuais e estão abertos a um aplicativo para gerenciar credenciais de saúde para viajar.

A pesquisa foi realizada com 500 participantes nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, França, Alemanha, Índia e Austrália e 300 participantes do Chile, Japão, Emirados Árabes Unidos e Cingapura. 

Todos os entrevistados realizaram alguma viagem de avião nos últimos 11 meses. As 4700 entrevistas foram realizadas entre 15 e 23 de fevereiro de 2021. 

Restrições

• 88% acreditam que, com a reabertura das fronteiras, será possível encontrar um equilíbrio adequado entre a gestão dos riscos da COVID-19 e o retorno da economia.

• 85% acreditam que os governos devem definir metas relacionadas à COVID-19 (como capacidade de teste ou distribuição de vacinas) para reabrir as fronteiras.

• 84% acreditam que a COVID-19 não vai desaparecer, então temos que gerenciar seus riscos enquanto vivemos e viajamos normalmente.

• 68% concordam que sua qualidade de vida sofreu com as restrições de viagens.

• 49% acreditam que as restrições de viagens aéreas foram longe demais.

Embora exista apoio público para as restrições, está se tornando evidente que as pessoas se sentem mais confortáveis em gerenciar elas próprias os riscos da COVID-19, explica a IATA. 

As pessoas também estão se sentindo frustradas com a perda da liberdade de viajar, com 68% dos entrevistados indicando que sua qualidade de vida foi prejudicada como resultado. 

Quase 40% dos entrevistados relataram estresse mental e afirmaram ter perdido um momento importante por causa das restrições de viagem. E mais de um terço deles disse que as restrições os impedem de fazer negócios normalmente.

Alexandre de Juniac, diretor geral e CEO da IATA, comenta: “A principal prioridade de todo mundo neste momento é permanecer seguro em meio à crise da COVID-19. Mas é importante analisar uma forma de reabrir as fronteiras, gerenciar riscos e permitir que as pessoas continuem com suas vidas. Isso inclui a liberdade de viajar.”

“Está ficando claro que precisaremos aprender a viver e viajar pelo mundo mesmo com a COVID-19. Com os custos sociais e econômicos e de saúde resultantes das restrições de viagens, as companhias aéreas devem estar prontas para reconectar o mundo assim que os governos puderem reabrir as fronteiras. É por isso que um plano com etapas mensuráveis é tão importante. Sem esse plano, como podemos estar preparados para reiniciar as atividades sem atrasos desnecessários?”

Tendências para o futuro das viagens

• 57% esperam viajar nos dois meses após a contenção da pandemia (melhora em relação à taxa de 49% registrada em setembro de 2020).

• 72% querem viajar para ver familiares e amigos o mais rápido possível (melhora em relação à taxa de 63% de setembro de 2020).

• 81% acreditam que a probabilidade de viajar será maior assim que forem vacinados.

• 84% disseram que não viajarão se houver possibilidade de quarentena no destino (praticamente sem mudança em relação à taxa de 83% de setembro de 2020).

• 56% acreditam que irão adiar as viagens até que a economia se estabilize (melhora em relação à taxa de 65% de setembro de 2020).

As respostas mostram que a confiança das pessoas está aumentando em relação ao retorno às viagens. As pessoas que esperam viajar nos dois meses após a “contenção da COVID-19” agora representam 57% dos entrevistados (aumento em relação aos 49% de setembro de 2020).

Esse aumento se deve ao surgimento da vacina, pois 81% das pessoas estarão mais propensas a viajar depois de vacinadas. Além disso, 72% dos entrevistados querem viajar o mais rápido possível após a contenção da COVID-19 para ver amigos e familiares.

Contudo, existem alguns obstáculos nas tendências de viagens. Cerca de 84% dos entrevistados não viajarão se houver quarentena no destino.

E ainda há indicações de que a retomada das viagens de negócios levará tempo, pois 62% dos entrevistados afirmaram que provavelmente viajarão menos a negócios, mesmo depois que o vírus estiver sob controle. Porém, esse número teve melhoria significativa em relação aos 72% registrados em setembro de 2020.

IATA Travel Pass

• 89% dos entrevistados acreditam que os governos devem padronizar os certificados de vacinação e teste da COVID-19.

• 80% ficaram animados com a apresentação do aplicativo IATA Travel Pass e o usariam assim que disponível.

• 78% só usarão um aplicativo de credenciais de saúde para viagens se tiverem controle total dos seus dados.

As credenciais de saúde para viagens já estão abrindo as fronteiras de alguns países. A IATA acredita que esse sistema precisa de padrões globais e do mais alto nível de segurança de dados.

A pesquisa produziu dados muito animadores, indicando a disposição do viajante de usar um aplicativo móvel seguro para gerenciar suas credenciais de saúde em viagens. Quatro em cada cinco pessoas pesquisadas gostariam de usar essa tecnologia assim que estiver disponível.

Elas também esperam que as credenciais de saúde para viagens (atestados de vacina ou teste) estejam em conformidade com os padrões globais – um trabalho dos governos que ainda está em andamento.

Os entrevistados da pesquisa também deixaram claro que se preocupam com a segurança dos dados. Cerca de 78% dos viajantes não usarão um aplicativo de credenciais de saúde se não tiverem controle total de seus dados. E cerca de 60% não usarão o aplicativo se os dados forem armazenados centralmente.

Via IATA.