Caças F-35B operando apartir do USS America (LHA-6)- Foto da Marinha dos EUA pelo especialista em comunicação de massa 3ª classe Vance Hand

Dois pilotos da USAF ganharam destaque por operar caças F-35B abordo do USS America (LHA-6). Os capitães Spencer G. Weide e Justin J. Newman participaram de um exercício  de treinamento integrado no Pacífico Oriental.

“Essa foi a implantação do maior número de F-35 já lançados no mar e, por duas semanas, testamos as taxas de classificação, os ciclos de convés para o teste e o controle de várias embarcações para o teste, enquanto enfatizamos a comunicação. links e táticas que nos tornarão bem sucedidos em qualquer ambiente de combate, em qualquer lugar do mundo, como uma equipe conjunta da Marinha e do Corpo de Fuzileiros Navais ”, disse o tenente-coronel John Dirk, comandante do VMFA 122, em um comunicado público da Marinha.

A Força Aérea faz parte da equipe e isso ajuda integrar os militares de ambas as forças, trocando muitas experiências.

capitão da Força Aérea dos EUA Spencer G. Weide, à esquerda, e o capitão Justin J. Newman, pilotos do F-35B Lightning II- Foto:Corpo de Fuzileiros Navais dos EUA

“Esta é uma oportunidade única para a Força Aérea se integrar com fuzileiros navais e marinheiros no exterior. […] ”disse o capitão Weide em um comunicado da PACAF . “Um treinamento integrado como esse é importante porque operamos fora de um navio e aprendemos as funções de guerra naval e marinha”, disse Newman, com o VMFA-122. “Isso nos permitirá retornar o conhecimento à Força Aérea para melhor integração futura”.

“O treinamento foi extremamente bem. Conseguimos sustentar uma alta taxa de classificação, com uma alta condição de prontidão, enquanto interoperamos com vários navios e aeronaves em vários conjuntos de missões ”, disse o tenente-coronel Dirk. “Para lutarmos juntos, temos que treinar juntos, e não há melhor treinamento do Corpo de Fuzileiros Navais do que viver juntos, instruir juntos e voar em navios da Marinha, onde podemos fortalecer nossos relacionamentos, amadurecer nossas táticas e exercer as capacidades do Exército. presente para os desafios do futuro. ”