Um F-22 Raptor reabastece com Sistema Hot Pit, na base aérea de Eglin- Foto: Força Aérea dos Estados Unidos pelo aviador sênior Anthony Nin Leclerec

Pilotos de caças F-22 do 43º Esquadrão de Caça em Tyndall, Flórida, fizeram um novo sistema de operação nos caças, o Hot Seat e Hot Pit para aumentar as surtidas aqui no dia.Tais ações foram feitas no dia 2 de julho, mas só agora foram noticiadas.

Os Hot Seat, é basicamente a troca de comando de pilotos de forma rápida. Já o Hot Pit, é um reabastecimento com os motores funcionando, algo bem simular aos Pits Stops da F-1.

“Estamos pegando um piloto já no banco do jato quando ele voltar e trocando por outro piloto no local”, disse o sargento da equipe. Nicholas Peters, chefe da tripulação do 325th Aircraft Maintenance Squadron. “Dessa forma, o jato nunca é oficialmente liberado de volta à manutenção – outro piloto apenas o aceita. [Supondo que a aeronave não registrou nada inseguro durante o voo] eles fazem um breve contato face a face, então o piloto que chega pode pegar o jato e lançá-lo de lá”, completa.

Sistema Hot Pit sendo feito em um F-22 Raptor- Foto: Força Aérea dos Estados Unidos pelo aviador sênior Anthony Nin Leclerec

Uma vez no solo todos os procedimentos são feitos com a maior segurança e eficácia e isso envolve não só pilotos mas também uma grande equipe de solo.

Essa operação que acontece na base aérea de Tyndall, serve como incentivo e a volta mais direta das operações dos Raptors na base. Em outrubro passado um forte furacão nomeado de Michael destruí algumas partes da base e danifico bastante alguns Raptors.

Desde que o furacão Michael devastou a Tyndall AFB e as áreas vizinhas, levou muito tempo, energia e esforço para levar nossa operação à Eglin AFB até a capacidade total”, disse o tenente-coronel Jefferey Peterson, 43º diretor de operações da FS. “Durante essa transição, nós absorvemos pilotos adicionais, tanto da ativa quanto da Reserva, como resultado do 95º FS ter seus jatos e pessoas divididas em toda a comunidade F-22.”

Segundo Peters, as estações de abastecimento tornaram ideal o reabastecimento em poços quentes.  


Troca de pilotos (Sistema Hot Seat), feito na base de Eglin, Flórida- Foto: Força Aérea dos Estados Unidos pelo aviador sênior Anthony Nin Leclerec

“Normalmente, voamos 10 jatos na primeira tentativa e oito na segunda, num total de 18 surtidas”, disse o sargento-mor Sgt. Dustin Holman, chefe da seção de aeronaves do 325º AMXS. “Para ‘lugares quentes’ voamos oito, seis e seis para um total de 20 surtidas.”

Em um dia normal, o 325º AMXS prepara 13 jatos. Três são peças de reposição, enquanto as outras 10 são enviadas em surtidas.

Apenas 11 são necessários para o reabastecimento e troca rápida de tripulação. Isso reduz o tempo necessário para colocar um novo piloto no ar; economizando tempo e produzindo mais sorties com menos aeronaves.

Militar de solo observa o acionamento de um F-22 Raptor- Foto: Força Aérea dos Estados Unidos pelo aviador sênior Anthony Nin Leclerec

De acordo com Holman, o 43rd FS é o primeiro esquadrão de F-22 a usar esses métodos. Eles começaram a praticar antes do furacão Michael e agora os estão usando para maximizar seu tempo de treinamento.

Usando este conceito de pitting quente com trocas rápidas de tripulação, ou operações de assento quente como temos vindo a chamá-lo, nossa equipe foi capaz de aumentar”.

Fonte de apoio: Eglin AFB/USAF

Edição: Aeroflap