A Polônia pode estar perto de escolher um novo caça para substituir as aeronaves de caça MiG-29 e Su-22. Para isso existe uma espécie de um concurso chamado Harpia (Harpy Eagle), que tem como objetivo avaliar e escolher o novo caça para cumprir a missão de defesa aérea do país.

Ao todo são quatro empresas fabricantes de aeronaves militares que estão na concorrência, são elas a Lockheed Martin (F-35 e F-16V), a Boeing com (F-15 e F/A18), a Saab (Gripen) e a Leonardo (Eurofighter Typhoon).

A seleção destas empresas com os respectivos caças aconteceu entre 2017 e 2018. Desde então a questão ligada ao valor parece ser um dos principais fatores que poderiam ser decisivos para a seleção dos caças. Nisso o F-35 está se tornando mais barato, com custo único unitário inferior a US $ 90 milhões, no entanto, este preço é válido apenas para os participantes do programa F-35.

Hoje tem poucos MiG-29 e SU-22 poloneses operando. A espinha dorsal da Força Aérea Polonesa são os caças F-16 Bloco 52+.

A Força Aérea Polonesa opera o MiG-29 há três décadas. Um dos problemas enfrentados pelos poloneses estava justamente nos motores da série 2 RD-33, que não são mais fabricados. E isso estava sendo prejudicial a frota quando havia panes.