Certamente em sua cidade você já deve ter observado um avião com as cores cinzas e vermelhas fazendo vários voos rasantes entorno do aeroporto. Alguns até devem imaginar que o piloto ficou maluco e faz estes voos por diversão.

Na verdade estes voos servem para garantir uma maior segurança as operações de aproximação, pouso e decolagem em um aeroporto. Vamos conhecer abaixo um pouco de como o GEIV trabalha.

 

Grupo Especial de Inspeção em Voo (GEIV)

Foto: DECEA

O GEIV é um esquadrão que faz parte do DECEA (Departamento de Controle do Espaço Aérea), que por sua vez é subordinado a Força Aérea Brasileira (FAB). O GEIV foi criado oficialmente em 1972, mas desde os anos 50 já fazia suas atividades. Nesta época um clássico DC-3, cujo o nome era EC-47 2065 já fazia as atividades do grupo.

Antes de operar as modernas aeronaves Legacy 500, outras aeronaves já passaram pela história do grupo. Entre elas o já citado DC-3, mas também o EMB-110 Bandeirante, que no GEIV foi chamado de EC-95.

Aeronaves operadas pelo GEIV:

  • EC-95B/C (Bandeirante)
  • EU-93A (BAe Raytheon)
  • EU-93 Dominie (BAe Hawker Siddeley)
  • IU-50 Legacy (Legacy 500)
EC-47- Foto: Ney L. Senandes

O clássico Bandeirante operou no GEIV até 2018. Atualmente o grupamento opera somente aeronaves à jato.


A sede do GEIV é no Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro. De lá os jatos IU-50 voam para os principais aeroportos e base aéreas de todo o país.

 

Missão

Para que se tenha uma segurança nas operações de um aeroporto é preciso que os equipamentos destinados a tais operações estejam sempre calibrados. E aí entra a ação do GEIV, que é justamente aferir os sistemas de auxílio a Navegação Aérea (ILS, PAPIS, VASIS, AVASIS, ALS, NDB, VHF, VOR), dentre outros sistemas.

Nada melhor que uma aeronave pousando, decolando e fazendo as devidas aproximações descritas nas cartas aeroportuárias para checar tais equipamentos.

Foto: DECEA

Seguem mais detalhes das devidas Inspeções do GEIV:

– Inspeção de Avaliação de Local:

Antes de colocar os sistemas em um local é preciso fazer um estudo para garantir qual o local ideal para tais sistemas serem instalados;

– Inspeção de Homologação:

Não basta escolher o local e instalar, deve-se testar e adequar tais sistemas de acordo com as regras de um aeródromo;

– Inspeção Rotineira:

Isso explica porque as aeronaves do GEIV as vezes aparecem uma cidade e fazem os voos de chegue dos instrumentos, que rotineiramente devem ser testados.

-Inspeção por outros fatores:

Quando algum problema é encontrado a atuação do GEIV é fundamental para que se ache e solucione o problema o mais rápido possível.

Foto: DECEA

Hoje o DECEA, por meio do GEIV tem a missão de inspecionar 900 equipamentos de auxílio a navegação aérea em todo o país.

Contudo, não é apenas a aeronaves e seus equipamentos a bordo que fazem os cheques, em solo uma equipe auxilia a aeronave do GEIV.

 

 

 

No FlightRadar 24

Os aviões do GEIV são facilmente rastreáveis através do FlightRadar 24, então é possível diferenciar os mesmos de uma aeronave fazendo órbita, seja por espera ou emergência. 

Nas imagens abaixo podemos ver algumas diferenças entre os códigos de voos com o um avião do GEIV e sem o mesmo.

 

Fonte de apoio: DECEA

Edição: Aeroflap

DEIXE UMA RESPOSTA