Antonov AN-225 Ucrânia
Foto: Reprodução

Nos últimos dias o conhecido piloto do Antonov An-225, Dmytro Antonov, está postando uma série de vídeos comentando sobre a guerra na Ucrânia. E em uma das suas postagens ele apresentou algumas considerações sobre a destruição do maior avião do mundo por forças russas.

E no vídeo abaixo, postado no dia 18 de março, Dmytro Antonov explica o motivo tão questionado pelas pessoas do An-225 não ter sido deslocado para longe da Ucrânia.

Como nem todos entendem russo, forneceremos aqui algumas traduções de trechos da fala do Dmytro Antonov, onde ele esclarece que a administração da Antonov recebeu um aviso no dia 26 de janeiro, bem antes do início da guerra, para evacuarem os seus grandes aviões An-225 e An-124 da Ucrânia. Essa parte começa no minuto 13:30 do vídeo.

Enquanto o avião não foi movido para a base operacional da Antonov em Leipzig, a alta cúpula da empresa saiu da Ucrânia e passou a operar totalmente na Alemanha duas semanas antes da guerra ser iniciada, praticamente após o aviso de autoridades europeias.

Dmytro Antonov disse em um trecho:

“Não houve decisão de transferir o avião para lugar nenhum. Você poderia mandá-lo para Rzeszów, você poderia mandá-lo para Leipzig (Alemanha). Por que Leipzig? Porque em 26 de janeiro, houve um apelo à administração da OTAN via Antonov Logistics para a realocação de todas as nossas aeronaves. Tripulação de voo, equipe de solo, peças sobressalentes, etc, para Leipzig à luz de uma possível guerra. Não houve resposta a esse aviso. E como eu disse, não houve força de vontade de transferir [a aeronave] entre 15 e 23 de fevereiro.”

“O chefe da empresa tinha que tomar uma decisão junto com sua equipe, ou seja, a alta direção poderia ter tomado uma decisão sobre este caso”.

https://twitter.com/AntonovCompany/status/1499355838854701064

No momento 10:50 do vídeo Dmytro Antonov também explica sobre as instalações da Antonov Logistics em Leipzig, mostrando o pátio de aeronaves para a logística da empresa a partir deste local.

A Antonov utiliza o Aeroporto de Gostomel (Ucrânia) apenas para manutenção dos aviões. As verdadeiras bases operacionais são na Alemanha e no Cazaquistão, com Gostomel também sendo utilizado quando preciso.

Em 12:30 o piloto diz que o estado da aeronave parece ser bastante crítico, contudo, só será possível saber após o final do conflito. Ele prometeu ir pessoalmente acompanhar o trabalho de especialistas no Aeroporto de Gostomel, após o fim da guerra, e se mantém esperançoso sobre um novo avião ser construído, apesar dos custos envolvidos.

No vídeo acima, o piloto ainda relata que recebeu ameaças da alta cúpula da Antonov Logistics pelas suas declarações nas redes sociais, como da empresa [Antonov Airlines] apoiar a Rússia.

“Deixe que eles ameacem. Eles fizeram uma pequena vingança, bloquearam meu telefone. Enquanto eu ainda tiver acesso à Internet, está tudo bem”.

Dmytro completa o vídeo mostrando a loja da operadora, e que está tentando resolver o problema de bloqueio do número de telefone.

A Antonov Airlines declarou anteriormente que o avião estava em manutenção em Kiev, e não poderia ser movido para outro local. Apesar desta declaração, o último voo do An-225, no dia 06 de fevereiro, ocorreu após o aviso do dia 26 de janeiro por parte de um órgão da OTAN.