A Pratt & Whitney lançou um boletim de serviço, em relação aos motores PW1500G e PW1900G, que equipam o Airbus A220 e o Embraer E2, respectivamente.

O boletim avisa os operadores sobre uma antecipação da inspeção do compressor de alta pressão dos seus motores, de acordo com a fabricante, uma diminuição do limite de durabilidade, calculado por ciclos de uso, foi notada pela empresa.

A grande suspeita é que uma corrosão no compressor de alta pressão, localizado logo antes da câmara de combustão, possa diminuir a durabilidade do motor, como foi descoberto durante uma revisão de rotina.

“Essa corrosão, também encontrada sob o revestimento anticorrosivo, reduz a capacidade de fadiga de baixo ciclo e pode ocorrer mesmo durante o tempo de inatividade do motor”, diz uma proposta de diretiva da FAA nos EUA.

Em um caso extremo, componentes do compressor de alta pressão podem rachar e causar danos ainda maiores ao motor, com um consequente desligamento do motor durante o voo.

Esse é mais um caso envolvendo a nova geração dos motores da Pratt & Whitney, batizada de Pure Power. Anteriormente a fabricante teve vários problemas de durabilidade do PW1100G, que equipa aeronaves da família A320neo, fabricadas pela Airbus.