Presidente Trump diz que EUA ‘protegerão’ Boeing das consequências do coronavírus

Boeing

O presidente Donald Trump disse que o governo dos EUA “protegerá” a Boeing dos efeitos adversos da crise do coronavírus, sugerindo que a ajuda financeira à Boeing e outras empresas aeroespaciais pode fazer parte de um plano de alívio econômico pendente.

“Estamos analisando isso”, disse Trump em 17 de março, quando perguntado se seu governo pretende ajudar financeiramente fabricantes aeroespaciais como Boeing e General Electric.

“Temos que proteger a Boeing”, acrescenta Trump. “Temos absolutamente que ajudar a Boeing.”

Ele não menciona outros fabricantes aeroespaciais. Nem a GE Aviation, que fabrica motores aeronáuticos, nem o grupo comercial aeroespacial Aerospace Industries Association, responderam imediatamente a pedidos de comentários.

“Estamos indo muito bem”, disse Trump sobre suas propostas, que as autoridades esperam que sejam reunidas com rapidez suficiente para garantir que a ajuda comece a fluir dentro de duas semanas.

O grupo de lobby das companhias aéreas Airlines for America (A4A) solicitou mais de US$ 58 bilhões para sua indústria, que foi atingida pelas proibições de voos e pela queda na demanda.

A Boeing, em 16 de março, estava entre uma série de indústrias que buscavam ajuda em potencial do governo.


A empresa já estava lutando com o aterramento do 737 MAX quando o surto de coronavírus começou. As proibições de viagens resultantes e o declínio na demanda levaram as companhias aéreas a aterrar grandes porções de suas frotas e estimularam algumas a adiar ou cancelar pedidos de aeronaves. Analistas suspeitam que mais adiamentos e cancelamentos estão chegando.

Na semana passada, a Air Canada anunciou que havia cancelado 11 pedidos do 737 MAX. 

“O acesso pronto a curto prazo à liquidez pública e privada será uma das formas mais importantes para as companhias aéreas, aeroportos, fornecedores e fabricantes alcançarem a recuperação”, afirmou a Boeing em comunicado. “Discussões positivas e contínuas continuam com governos e líderes do setor”.

 

DEIXE UMA RESPOSTA