Após marcar o mês de maio para realizar o primeiro voo do C919, a Comac agora fixou o dia 5 de maio para a cerimônia oficial do primeiro voo. A fabricante chinesa também deixou o dia 6 de maio como backup, caso ocorra algum problema que impeça a aeronave de levantar voo.

Para esse feito marcante a Comac está preparando uma cerimônia para 2000 pessoas na sua sede, no Aeroporto de Changai. A empresa já recebeu uma autorização da Civil Aviation Administration of China, como informado anteriormente aqui na Aeroflap.

A Comac está se adiantando para realizar o primeiro voo, visto que já está sofrendo uma grande pressão do Governo Chinês, que está prestando muita atenção no progresso do C919.

A empresa levou três meses para completar os testes de táxi de baixa e média velocidade de taxiamento, a apresentação da aeronave foi no final de 2015, enquanto isso a Boeing apresentou o 737 MAX 8 no início de 2016 e já conseguiu certificar a aeronave, a primeira entrega poderá ocorrer antes do primeiro voo do C919.

O presidente da Comac, Jin Zhuanglong, chegou a enfatizou que preferia um atraso no programa de desenvolvimento que garantisse a segurança e a qualidade da aeronave. O primeiro voo foi programado para o final de 2016, mas foi atrasado por problemas de desenvolvimento da aeronave.

O COMAC C919 é bem semelhante com o A320 da Airbus, medindo 38,9m de comprimento, 35.8 metros de asa, altura de aproximadamente 12m e largura de cabine de 3,9 metros. Isso é combinado com uma velocidade de cruzeiro de 830km/h, alcance de 5500 km na versão All-ECO e teto de serviço de 40 mil pés. No geral está disposto 3 versões para compra que alcança de 156 passageiros até 174 quando em configuração de 1 classe com alta densidade, o seu projeto tem participação de empresas americana e europeias para construir diversos sistemas da aeronave, outro passo para a ocidentalização do COMAC.

A companhia aérea estatal, China Eastern Airlines, será a primeira com operações realizadas pelo jato da Comac. Seu número total de encomendas é de 566 fixas vindo de 21 clientes, em sua maioria operadores na China, por conta dos incentivos do governo e bancos estatais.

 

Via – FlightGlobal