Voo sobre o oceno dos Gripens E- Foto: SAAB

Pela primeira vez dois Gripens E (NG) voaram em formação na Suécia, as aeronaves de numeração 39-9 e 39-10 são as mais recentes da nova geração do Gripen E.

Gripens E 39-9 e 39-10 voando em ALA- Foto: SAAB

As aeronaves estão em fases de testes e esse voo em Ala serviu para testar sensores e sistemas táticos dos caças. A SAAB já construiu e voou três Gripens E, o primeiro com o número 39-8 fez o seu primeiro voo em 2017, já o segundo voo em novembro daquele ano. O terceiro exemplar do Gripen E voou no mês passado a partir da fábrica da SAAB, em Linkoping, Suécia.

Um quatro Gripen E tem planos de voar em agosto deste ano, trata-se do primeiro Gripen NG do Brasil, que já teve seu motor GE414 instalado, e sua tela WAD de fabricação nacional ligada. A FAB terá ao todo 36 unidades do caça, sendo 28 da versão monoposta Ee oito da versão biposta F. Algumas destas unidades serão construídas na sede de Gavião Peixoto-SP.

A primeira aeronave destinada à FAB deverá chegar em 2021 e as unidades fabricadas no Brasil em 2024. No Brasil as aeronaves serão nomeadas de F-39 e ficarão baseadas na ALA-2 em Anápolis-GO.

Voo em ALA dos dois últimos Gripens E produzidos pela SAAB- Foto: SAAB

A Força Aérea Sueca também terá o caça Gripen NG, ao todo serão 60 Gripens que vão atualizar a atual frota de Gripens C/D da Suécia.

Tranfência Inversa de Tecnologia:

Tela WAD de produção nacional que será instalada nos Gripens do Brasil- Foto: AEL Sistemas, Gilmar Gomes

Desde que o programa FX2 veio à tona para a escolha de um novo caça para a FAB, o termo Transferência de Tecnologia sempre foi colocado em pauta, pois isso possibilita ao Brasil um acesso a uma nova tecnologia e auxilia o crescimento da nossa indústria aeroespacial, além da ciência e cria empregos.

Com a escolha do Gripen E/F (NG) para reequipar a FAB, o Brasil terá a possiblidade de não apenas ter um novo caça com padrões internacionais mas também desenvolver tecnologia para o mesmo. É o caso da tela WAD da AEL Sistemas, uma empresa brasileira focada em tecnologia embarcada. A AEL desenvolveu uma única tela que vai ocupar o painel dos Gripens, e vai trazer ao piloto maior facilidade e vai permitir aos caçadores maior concentração em outras funções.

Tela WAD da AEL Sistema no protótipo brasileiro do Gripen E

A ideia inicial era de apenas os Gripens brasileiros terem essa tela, com tudo a Força Aérea Sueca também despertou interesse para equipar seus caças com a tela WAD da AEL, o que mostra que é possível cooperação e divisão de tecnologias.