Boeing 787
Foto - Boeing/Divulgação

A Boeing expandiu as inspeções dos aviões 787 Dreamliner recém-produzidos, de acordo com o The Wall Street Journal, após detectar que as fuselagens continuam saindo da linha de produção com reparos a serem realizados no controle de qualidade.

Além disso, a Boeing detectou que mais aviões passaram pelo controle de qualidade ainda assim com problemas de produção..

Os engenheiros da Boeing e os reguladores de segurança aérea dos EUA, a FAA, concordam que o problema recém-descoberto não representa um risco iminente à segurança, disseram as autoridades.

Mas a nova questão provavelmente aumentará uma revisão da Administração Federal de Aviação das salvaguardas de produção do 787, desencadeada no início deste ano por outros defeitos, disse um desses funcionários.

Neste problema uma parte da fuselagem pode sofrer de baixa resistência, em comparação com outras partes da mesma, causando um ponto a favor de rupturas ou problemas estruturais diversos.

O problema é relacionado com dois tubos de fibra de carbono, localizados entre a junção das seções 47 e 48 da fuselagem do Boeing 787.

Um controle produtivo de qualidade localiza as falhas na malha de fibra de carbono através de um robô, este faz toda uma análise da fuselagem após a moldagem da fibra de carbono. Os pontos com pouco material são preenchidos com mais material composto, e reforçados.

Contudo, o robô errou ao não fazer uma varredura completa da fuselagem, e “esquecer” de preencher essas regiões com mais material composto.

Dessa forma, a menor espessura do material composto nessa região pode causar uma ruptura em situações de estresse extremo. No mundo dos materiais as falhas geralmente ocorrem em áreas de menor densidade ou massa, considerando uma espessura teoricamente uniforme de uma chapa ou tudo.

Por esse motivo é importante manter a uniformidade dos materiais durante o processo de fabricação, para evitar esses “gatilhos” que resultam em falhas.

As verificações de controle de qualidade mais amplas, cobrindo toda a fuselagem dos aviões, ao invés de apenas algumas seções ao redor da cauda, ​​são a razão pela qual as inspeções estão demorando mais do que o previsto anteriormente, disseram as autoridades.

Também explica por que nenhum Dreamliner foi entregue em novembro. As inspeções adicionais estão diminuindo o ritmo de entregas na Boeing, em contrapartida, a fabricante enfrenta um período de baixa demanda, devido à pandemia.

 

DEIXE UMA RESPOSTA