Clique Aqui e receba as principais Notícias da Aviação em tempo real diretamente no seu Whatsapp ou Telegram.

Aeroporto
*

Nesta última quarta-feira (06/10) postamos sobre uma projeção de ampliação para o Aeroporto de Congonhas, em São Paulo. E no mesmo edital de licitação estão alguns estudos do Governo Federal para a expansão de dois outros terminais: Belém (PA) e Santos Dumont (RJ).

No Aeroporto Santos Dumont podemos perceber que há uma possibilidade de expansão das pontes de embarque fixas, além de adequações no pátio atualmente dedicado para a aviação geral, que ganha uma maior área de solo e capaz de suportar mais aeronaves de tamanho similar ao Airbus A320.

O conhecido terminal de passageiros coberto por vidros ganha uma ponte de embarque a mais ao lado direito da imagem, e mais três pontes na parte esquerda, de acordo com esse estudo. Vale ressaltar que na parte esquerda da imagem há estruturas que atualmente são tombadas pelo IPHAN, uma negociação difícil de ser realizada.

Também há uma segunda expansão, a partir do histórico prédio central do aeroporto, disponibilizando mais três pontes de embarque fixas. Ao todo, nesse estudo, são 7 novas pontes de embarque fixas, e várias novas posições de remotas, seja para a aviação comercial ou geral.

O pedido por mais pontes de embarque fixas no Santos Dumont parte das próprias companhias aéreas.

Na foto de abertura desta matéria também podemos notar modificações na parte das pistas para o embarque e desembarque de passageiros utilizando carros, com maior área (e coberta) disponível para uso.

Aeroporto de Belém

Atualmente com 4/6 pontes de embarque fixas, o Aeroporto de Belém, de acordo com um estudo da Infraway e empresas associadas, pode ganhar praticamente o dobro do terminal disponível para o embarque e desembarque de passageiros.

 

Na imagem acima podemos observar (em azul) uma possível expansão do terminal atual, que acrescenta 6 pontes de embarque fixas as quatro já existentes. Além disso, a área disponível para os passageiros praticamente dobra de tamanho.

A remota também receberá uma mínima ampliação, destaque para a parte esquerda da imagem, onde atualmente está um estacionamento, galpões, e uma rua que dá acesso aos hangares da parte sul.

Estudo mostra Aeroporto de Belém, em sketch 2D, após as obras.

Vale ressaltar que estas são propostas elaboradas como um estudo para a concessão, e não representa como a futura operadora deseja realizar as modificações. A expansão está sendo repassada pela nossa equipe apenas como um modelo de viabilidade para esses dois aeroportos.

 

7ª rodada de concessão dos aeroportos

O leilão desses aeroportos está previsto para o primeiro semestre de 2022. Na ocasião outros 14 terminais que atualmente são administrados pela Infraero serão concedidos à iniciativa privada.

O leilão será dividido em três blocos, são eles:

i) Bloco RJ/MG, composto por cinco aeroportos: Santos Dumont – Rio de Janeiro/RJ, Aeroporto Ten. Cel. Aviador César Bombonato – Uberlândia/MG, Aeroporto Mário Ribeiro – Montes Claros/MG, Aeroporto Mario de Almeida Franco – Uberaba/MG e Aeroporto de Jacarepaguá/RJ – Roberto Marinho.

ii) Bloco Norte II, formado pelos aeroportos de Belém – Val de Cans – Júlio Cezar Ribeiro, Aeroporto Internacional Alberto Alcolumbre – Macapá/AP, Aeroporto Maestro Wilson Fonseca – Santarém/PA, Aeroporto João Corrêa da Rocha – Marabá/PA, Aeroporto Carajás – Parauapebas/PA e Aeroporto de Altamira – Altamira/PA, totalizando seis terminais.

iii) Bloco SP/MS, composto pelos aeroportos de: Congonhas – São Paulo/SP, Campo Grande – Campo Grande/MS, Campo de Marte – São Paulo/SP, Corumbá – Corumbá/MS e Aeroporto Internacional de Ponta Porã – Ponta Porã/MS. 

 

 

Agradecemos ao usuário @rafabelem do fórum Skyscraper City pelas projeções do estudo sobre a 7ª rodada de concessão dos aeroportos.

DEIXE UMA RESPOSTA