Projeto FCAS (Futuro Sistema Aéreo de Combate) dá um grande passo adiante

Os governos da França e da Alemanha concederam à Dassault Aviation, Airbus, juntamente com seus parceiros MTU Aero Engines, Safran, MBDA e Thales, o contrato-quadro inicial (Fase 1A), que inicia a fase de demonstração para o futuro sistema aéreo de combate (FCAS).

Este contrato-quadro abrange um primeiro período de 18 meses e inicia o trabalho no desenvolvimento de demonstradores e no amadurecimento de tecnologias de ponta, com a ambição de iniciar os testes de voo até 2026.

Desde o início de 2019, os parceiros industriais vêm trabalhando na futura arquitetura como parte do chamado Estudo de Conceito Conjunto do programa. Agora, o programa FCAS entra em outra fase decisiva com o lançamento da fase demonstrativa.

FCAS (Airbus e Dassault- Foto: BillyPix

Essa fase, em uma primeira etapa, se concentrará nos principais desafios tecnológicos por domínios:

  • Next Generation Fighter (NGF), com a Dassault Aviation como principal contratada e a Airbus como principal parceiro, para ser o elemento central do Future Combat Air System,
  • Sistemas não tripulados Remote Carrier (RC), com a Airbus como contratada principal e a MBDA como parceiro principal,
  • Combat Cloud (CC) com a Airbus como principal contratada e a Thales como principal parceiro,
  • Motor com Safran e MTU como parceiro principal.

Um ambiente de simulação será desenvolvido em conjunto entre as empresas envolvidas para garantir a consistência entre os manifestantes.

O lançamento da fase de demonstração enfatiza a confiança política e a determinação das nações parceiras do FCAS e da indústria associada de avançar e cooperar de maneira justa e equilibrada. O aumento da dinâmica permite à indústria empregar os recursos necessários e as melhores capacidades para desenvolver este projeto de defesa europeu decisivo. O FCAS será o projeto fundamental, garantindo a futura soberania operacional, industrial e tecnológica da Europa.

O próximo passo importante no programa FCAS será a integração da Espanha e o envolvimento de fornecedores adicionais a partir da Fase 1B, que sucederão a Fase 1A após sua conclusão bem-sucedida.


 

 

DEIXE UMA RESPOSTA