Em junho deste ano, durante o Paris Airshow, a Boeing apresentou seus primeiros conceitos para um possível novo projeto chamado NMA (New Mid-Market Airplane), um jato projetado especificamente para o range de assentos entre 200 a 280 passageiros, com autonomia suficiente para fazer voos de média distância.

Várias companhia apoiaram a ideia da Boeing, que simplesmente quer ter um avião capaz de concorrer com o A321neo, até mesmo a Emirates disse que a ideia da Boeing era boa, e que os conceitos iniciais se tratavam de uma aeronave bem moderna.

E a Qantas também se manifestou recentemente demonstrando apoio, e dizendo que o projeto otimizado da Boeing para rotas de curta e média distância é fantástico. A companhia também disse que pode apoiar a Boeing no desenvolvimento em relação às companhias aéreas.

“Estamos realmente entusiasmados com o [NMA]. Se eles fizerem isso, vai ser um ótimo avião”, disse o presidente-executivo da Qantas , Alan Joyce, à FlightGlobal na Royal Aeronautical Society em Londres. 

O presidente da Qantas já vê o projeto como uma boa novidade, e diz que é possível aumentar a oferta em rotas de longa demanda com essa nova aeronave, como nos voos de Brisbane para Sydney, que partem a cada 30 minutos, sem uma aeronave maior e tão eficiente quanto os jatos menores, não é possível expandir a oferta da maneira desejada.

“E você não quer um avião projetado para fazer um transporte de longa distância como o 787, pois eles são muito pesados. Então, uma aeronave especialmente projetada para rotas domésticas seria fantástica. Estamos absolutamente conversando com a Boeing sobre quais seriam nossos requisitos nesse mercado. Esse é um compromisso de longo prazo”, disse Joyce.

A Qantas, através da Jetstar, tem um grande interesse nesses projetos, atualmente a companhia tem encomendas para o A320neo.

A nova aeronave middle-of-the-market (MOM) da Boeing, chamada por enquanto de 797, terá uma capacidade para transportar de 200 a 270 passageiros com divisão de dois corredores, sendo mais leve que o Boeing 787, com um alcance na faixa de 7200 km a 9600 km. 

 

 

O Boeing 797 é o jato que está na parte direita da imagem. Foto – CNN/Boeing

Na imagem acima podemos ver o Boeing 797 como uma aeronave de fuselagem estreita, em comparação com o 787, porém larga quando comparada com o 737 MAX. O comprimento é semelhante ao do 787 e as asas continuam com a mesma filosofia do irmão maior.

O novo avião usará algumas tecnologias do Boeing 777X, como a asa dobrável com estrutura em material composto. A fuselagem também incorpora um conceito novo para esse mercado atingido pelo Boeing 797, ela será oval, para alívio de peso e ampliação do espaço interno, assim é possível colocar uma configuração de 7 assentos por fileira sem ter o mesmo peso do 787. A Boeing chama esse conceito de fuselagem híbrida, que hoje não pode ser feita sem o uso de materiais compostos.

Empresas como a Rockwell e a Rolls-Royce já demonstraram interesse em colaborar no desenvolvimento técnico.

 

Via – FlightGlobal