Qantas Airbus A380
Foto: Airbus

A Qantas encaminhou o primeiro Airbus A380 da sua frota para o desmonte. Ao mesmo tempo que alguns aviões retornam aos voos comerciais, a aeronave de matrícula VH-OQF foi fotografada sem várias partes, que já foram retiradas do avião nos Estados Unidos.

Durante a pandemia a Qantas enviou seus 12 Airbus A380 para estocagem em Victorville, no Deserto de Mojave, localizado na Califórnia, pelas melhores condições de temperatura e umidade do local, que ajudam na preservação das aeronaves. Durante os últimos meses quatro retornaram para a frota, com função de aumentar a oferta de assentos em algumas rotas.

O VH-OQF foi entregue em 08 de janeiro de 2010, e batizado em homenagem ao famoso aviador australiano Sir Charles Kingsford Smith. A aeronave realizou seu primeiro voo com passageiros de Sydney a Los Angeles, o QF11 no dia 17 de janeiro de 2010.

Ao todo dois aviões A380 serão retirados da frota da Qantas, e suas peças serão estocadas em Los Angeles (LAX) e Sidney, para apoiar as outras 10 aeronaves que continuarão operando. A Emirates fez a mesma movimentação, retirando cinco aviões A380 de atividade, para obter peças sobressalentes.

Cada peça retirada, e que pode ser aproveitada em outra aeronave, é catalogada e recebe um código específico, também registrado na autoridade de aviação que gerenciava o avião. O código informa a quantidade de ciclos de uso, o avião onde a peça foi retirada, e sua condição/durabilidade. O rastreamento de peças usadas é de grande importância para evitar problemas em um uso futuro do componente, bem como para evitar a existência de peças pirateadas, e sem histórico de uso.

Espera-se que o VH-OQE seja o segundo e último A380 a ser aposentado por enquanto pela companhia aérea australiana. No futuro, logicamente, mais aviões serão retirados da frota.

O ‘superjumbo’ da companhia é configurado para transportar 484 passageiros divididos nas classes de serviço: Primeira Classe, Executiva, Premium e Econômica. Três aeronaves estão passando por uma reformulação do interior em Abu Dhabi, um procedimento que pode custar até US$ 45 milhões por avião.

 

Via: Australian Aviation