Querosene Aviação ABEAR

O Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP) informou à ABAG que suas distribuidores associadas Petrobras, Raízen, Vibra e Air BP estão planejando para 1° de janeiro de 2022 a alteração da comercialização do JET-A1 para JET-A em todos os aeroportos que operam.

Este planejamento é possível por conta da publicação da resolução ANP n° 856/21, a qual permite a comercialização do JET-A no país. A principal diferença entre estes dois combustíveis é no ponto de congelamento, sendo de -47°C para o JET-A1 e -40°C para o JET-A.

A ABAG, em linha com seus propósitos de desenvolver a aviação geral de maneira eficiente e sem comprometer a segurança operacional, participou do estudo de viabilidade da introdução do JET-A no Brasil, o qual foi liderado pela ANP.

Clique aqui e saiba mais sobre a resolução da ANP que permite a comercialização do JET-A.

As especificações propostas permitem ainda a manutenção do querosene JET-A1, utilizado hoje no país. O objetivo é aumentar a oferta de querosenes, gerando potencial de redução de custos para companhias de aviação e, por extensão, de preços de passagens aéreas. 

A única diferença entre o JET-A1 e o JET-A é o ponto de congelamento: o JET-A1 possui limite máximo especificado em -47 °C, enquanto o JET-A possui limite em -40 °C.

A estimativa do mercado é de que ocorra uma redução de cerca de 0,3 a 0,6 centavos de dólar por galão, podendo haver redução ainda maior, uma vez que, com o JET-A, haverá maior competição, dado o maior número de fornecedores externos do produto.  

 

Com informações da ABAG.

DEIXE UMA RESPOSTA