Foto - Air Canadá/Divulgação

A Air Canada está demitindo temporariamente 5100 tripulantes de cabine quando o coronavírus atinge seus negócios, forçando-a a aterrar aeronaves e a retirar assentos anteriormente ofertados.

O Sindicato Canadense de Funcionários Públicos (CUPE) e o sindicato que representa os comissários de bordo da companhia, confirmaram as demissões.

Sem confirmar os cortes de pessoal, a Air Canada em 20 de março disse: “À luz da rápida crise global do COVID-19 e da rede significativamente reduzida da Air Canada, a Air Canada iniciou discussões com seus sindicatos para começar a colocar os funcionários em status temporário de folga”.

“Os funcionários retornariam ao status de serviço ativo quando aumentarmos nossa programação de rede conforme as condições permitirem. Ainda não temos o número final de funcionários afetados nem detalhes sobre o cronograma, pois estamos trabalhando em programas de mitigação com cada sindicato”, afirma a companhia aérea.

A CUPE, que representa atendentes da Air Canada e da subsidiária Rouge, “está profundamente triste ao saber que a empresa demitirá temporariamente aproximadamente 3600 de seus membros na linha principal da Air Canada e todos os 1549 de seus membros na Air Canada Rouge”.

“As demissões anunciadas hoje são efetivas até 30 de abril de 2020, no mínimo, mas o sindicato espera que as condições do setor melhorem e permita que a companhia aérea comece a trazer comissários de bordo de volta”, escreve o sindicato. Os funcionários poderão acessar os subsídios de desemprego enquanto estiverem no “status de folga”.

Na segunda-feira, a companhia aérea pediu ao governo canadense por ajuda financeira para ajudar a gerenciar a crise.


Como muitas outras empresas do setor, a Air Canada retirou suas diretrizes de ganhos para 2020 e 2021.

O presidente dos EUA, Donald Trump, e o primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, anunciaram planos para fechar temporariamente suas fronteiras nacionais a viagens não essenciais em 18 de março. 

Como maior companhia aérea do Canadá, a empresa pretende trabalhar dentro das restrições de viagem emitidas pelos governos até abril para continuar operando um pequeno número de rotas internacionais, inclusive através da fronteira com os EUA a partir de cidades canadenses selecionadas.

 

DEIXE UMA RESPOSTA