F-35A F-35B F-35 restos treinamento stealth caça peças fuselagem
Fuselagem de F-35A e seção frontal de um F-35B agora serão usados para instrução de novos mecânicos. Foto: USAF.

Mesmo após terem sido destruídos em graves acidentes, os restos de dois caças stealth F-35 Lightning II ainda permanecerão em serviço. A fuselagem e um F-35A e o cockpit de um F-35B agora serão usados para o treinamento de técnicos em solo. 

Militares do 3º destacamento do 372º Esquadrão de Treinamento da base da Força Aérea dos EUA de Hill estão preparando o que restou dos dois F-35. As peças estão deixando de serem sucatas para se tornarem importantes ferramentas de instrução. 

Lockheed F-35A Lightning II 12-5053/OT

A fuselagem vem de um F-35A perdido em um acidente em 19 de maio de 2020, na Base Aérea de Eglin. O jato de matrícula 12-5053 pertencia ao 58º Esquadrão de Caça. A investigação revelou que a maior causa do acidente foi o fato da aeronave ter pousado rápido demais. 

Já o nariz do F-35B (versão de pouso e decolagem vertical) foi obtido junto aos Fuzileiros Navais (USMC). Em setembro de 2018, o avião, que pertencia ao 501 Esquadrão de Caça e Ataque dos Fuzileiros, caiu perto da base aeronaval de Beaufort. As causas do acidente foram atribuídas a um tubo de combustível falho. Nos dois casos os pilotos ejetaram e ficaram bem.

Seção frontal do F-35B que caiu em 2018. Foto: Todd Cromar/USAF.

Agora, a fuselagem e o cockpit dos dois F-35 serão objetos de estudo e instrução para os futuros mecânicos e técnicos de caças F-35. “Depois de receber o F-35A no ano passado, a aeronave foi descontaminada e protegida, assim como o motor removido”, disse o Sargento Andrew Wilkow do 372nd TRS.

“Descobrimos que, exceto pela seção do nariz, quase todos os componentes e sistemas dentro da fuselagem do F-35A estavam em condições surpreendentemente boas e ideais para uso como auxiliares de treinamento.”

F-35A fuselagem acidente
Fuselagem do F-35A acidentado em 2020 foi cortada ao meio pela Husqvarna. Foto: Todd Cromar/USAF.

Wilkow conseguiu então a assistência e a cooperação voluntária da Husqvarna para ter toda a fuselagem completamente serrada ao meio, longitudinalmente, como uma demonstração do produto.

Com a fuselagem serrada, as peças serão montadas em suportes para serem usadas nas instruções. Dessa forma, os alunos terão a oportunidade de remover os painéis externos e praticar a manutenção em todos os componentes e sistemas em sua orientação e posição normais.

A fuselagem do F-35A depois de ser serrada ao meio. Foto: Todd Cromar/USAF.

A seção frontal do F-35B tinha painéis laterais faltando, o que exigiu que o Sargento Wilkow trabalhasse com o escritório do programa de compostos avançados na base para fabricar peças substitutas. Ele também conseguiu um canopy impróprio para voo, mas em estado novo, para substituir a peça perdida no acidente de 2018. 

Para receber os F-35, uma sala de treinamento permanente está sendo preparada para abrigar os auxiliares de treinamento, convertendo e remodelando uma grande garagem não utilizada localizada no prédio do esquadrão de treinamento.

Foto: Todd Cromar/USAF.

O Sargento Técnico Dennis Corcoran explica que o treinamento de manutenção era realizado com aeronaves operacionais. Essa realidade deve mudar com estas novas ferramentas. 

“Obviamente, esse é um desafio significativo porque muitas vezes as unidades não conseguem dar suporte às evoluções de treinamento, simplesmente devido a compromissos operacionais ou à necessidade real de que os jatos retornem imediatamente ao status de voo, a fim de manter os requisitos de prontidão do esquadrão.”

Foto: Todd Cromar/USAF.

A criação desta instalação de treinamento indoors permitirá que os mecânicos do F-35 recebam instruções “a qualquer hora” em um F-35 inteiro em um ambiente climatizado, além de economizar no desgaste das aeronaves operacionais do serviço.

“Acredito que a criação de auxílios de treinamento a partir de aeronaves resgatadas, que a Força Aérea já possui e estavam destinadas a serem sucateadas, beneficia todos os envolvidos e a Força Aérea como um todo”, disse Wilkow.