Porta-aviões russo Admiral Kuznetsov

O único porta-aviões da Rússia ativo, o Almirante Kuznetsov, precisará ficar mais algum tempo no estaleiro onde está sendo reformado, de acordo com informações da própria mídia estatal dos russos, a TASS.

Atualmente o navio está sendo atualizado e recebendo vários reforços para trocar estruturas antigas, visto que o Almirante Kuznetsov está em atividade desde 1985. Contudo, o novo atraso é devido a erros realizados no processo de restauração do porta-aviões, e que precisarão ser corrigidos.

O primeiro prazo dos russos para retorno do Almirante Kuznetsov ao serviço era 2020, porém vários atrasos na sua atualização empurraram o prazo para 2023, e agora para 2024.

A previsão dos russos é deixar o porta-aviões em serviço de 2024 até 2039, após as atualizações que serão realizadas. Por este motivo, a força naval do país já trabalha em um projeto de construir uma nova embarcação deste tipo, sem grandes avanços na parte prática até o momento.

A atualização do Almirante Kuznetsov pode custar mais de 95 bilhões de rublos (cerca de US$ 1,71 bilhão). Este é um valor considerável, dada a natureza dos danos ocorridos em 2018.

A história do porta-aviões já conta com alguns acidentes fatais, sendo um em 2018 quando um guinaste atingiu a torre da embarcação matando uma pessoa. Já o segundo foi um incêndio no navio em 2019 vitimando fatalmente duas pessoas.

Em relação as aeronaves que operam no gigante porta-aviões de 43.000 toneladas, estão caças navais Su-33, MiG-29K e helicópteros Ka-31 Ka-27. O seu deslocamento é realizado por um motor a diesel, que resulta na espessa fumaça preta ao qual é conhecido.

Apesar do tamanho do país o Kuznetsov é o único porta-aviões da frota naval russa. O navio foi comissionado em 1990, e entre 1996 e 1998 a embarcação passou por sua primeira reforma.