F-35 F/A-18 EUA Finlândia OTAN
F-35A da USAF e F/A-18C finlandês. Foto: Força Aérea Finlandesa.

Após o sinal verde do governo da Finlândia e seguindo os passos da Suécia para a entrada do país na OTAN, a Rússia promete responder à altura caso o país nórdico entre na aliança. 

Ainda que não esteja claro qual será o tipo de resposta por parte dos russos, a decisão da  Finlândia em abdicar da neutralidade desde a 2ª guerra mundial foi motivado após tropas russas invadirem o território da Ucrânia.  

Caso de fato a Finlândia faça parte da OTAN, o país com pouco mais de cinco milhões e meio de habitantes terá de correr contra o tempo caso a Rússia prepare uma ofensiva semelhante contra os ucranianos. 

Continua depois do anúncio

Por outro lado, a inserção dos finlandeses poderá garantir maiores treinamentos regulares das tropas terrestres e aéreas, bem como um maior aporte em investimento na defesa do país por parte dos Estados Unidos. 

Atualmente, a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) conta com 30 países, a maioria dos países membros estão localizados no continente europeu, algo que não agrada Vladimir Putin 

Se antes já era uma preocupação por parte do Kremlin ter bases operacionais dos Estados Unidos próximo ao seu território, após o início da autodenominada “operação militar especial” da Rússia na Ucrânia, mais países estão pensando em aderir à aliança comandada pelos norte-americanos. 

Continua depois do anúncio

Caso a Suécia e a Finlândia façam parte da OTAN, o Mar Báltico será visto como um território inimigo para a Rússia, dificultando as operações dos seus portos que se localizam nas proximidades da região. 

No início do ano, O Governo da Finlândia assinou uma Carta de Oferta e Aceitação (LOA), oficializando a compra de 63 caças stealth F-35 Lightining II. Outro contrato será assinado ainda este ano para a compra de mísseis ar-ar AIM-120 AMRAAM e AIM-9X Sidewinder. 

A assinatura do documento, avaliada em US $9.5 bilhões do F-35 superou o Gripen, Super Hornet, Typhoon e Rafale no Programa HX. As novas aeronaves serão entregues entre 2025 e 2030, todas no padrão Block IV.

Continua depois do anúncio