SAS inicia processo para cortar até 5000 empregos

A companhia aérea da Escandinávia SAS, começou a trabalhar para cortar até 5000 posições de trabalho, pois alerta que é provável que demore “alguns anos” antes que a demanda por voos retorne aos níveis pré-crise.

A SAS manterá conversas com os sindicatos sobre os cortes propostos, que serão aplicados aos funcionários da Dinamarca, Noruega e Suécia, sobre possíveis medidas para mitigar o número de empregos perdidos.

A empresa também observa que, como os afetados têm um período médio de aviso prévio de seis meses, iniciar a ação agora oferece flexibilidade para acelerar os negócios se a demanda retornar rapidamente.

Dadas as restrições atuais, a SAS espera uma atividade limitada na importante temporada de verão. Além disso, “provavelmente levará alguns anos para que a demanda retorne aos níveis vistos antes do Covid-19 ”, afirma a empresa.

“O Covid-19 forçou o SAS a enfrentar uma realidade nova e sem precedentes, que repercutirá não apenas nos próximos meses, mas também nos próximos anos”, diz Rickard Gustafson, CEO da SAS. ”Precisamos adaptar nossa base de custos às circunstâncias prevalecentes. Lamentavelmente, somos forçados a adaptar nossa força de trabalho para a demanda reduzida de passageiros.”

”Agora, trabalharemos intensivamente em conjunto com representantes sindicais e outros para identificar soluções para que o menor número possível de pessoas seja afetado. Além disso, continuamos prontos para acelerar rapidamente as operações e reduzir o número de posições afetadas se a demanda se recuperar mais rapidamente.”

Os cortes em potencial cobririam até 1900 vagas em período integral na Suécia, 1700 na Dinamarca e 1300 na Noruega.


“Durante esse processo, a SAS se envolverá ativamente com seus sindicatos e outras partes interessadas na busca de soluções para reduzir o número de demissões reais em todo o grupo, além de outros aprimoramentos de produtividade”, afirma a companhia.

A SAS interrompeu a grande maioria do tráfego de passageiros em 16 de março, como resultado da propagação da pandemia pela Europa.

Em 7 de abril, a companhia demitiu temporariamente 11000 funcionários, pois advertia que o apoio estatal que deveria receber “não será suficiente” se a crise persistir.

A rival Norwegian disse que espera permanecer em uma “fase de hibernação”, na qual 95% de sua frota está estacionada, até o segundo trimestre de 2021.

 

DEIXE UMA RESPOSTA