Secretério da Defesa James Mattis à esquerda do Vice Presidente dos EUA, Mike Pence - Foto U.s Dept of Defense

O Secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, está em visita na América do Sul, um dos países em que a autoridade norte-americana está passando é o Brasil. Nesta segunda-feira (13/08) Mattis vai se reunir com o Ministro de Defesa, Joaquim Silva e Luna e o Ministro de Relações Exteriores, Aloysio Nunes.

É a primeira vez que James Mattis visita a América do Sul, e por se tratar de uma autoridade de defesa, obviamente os assuntos estarão relacionados a tal.

O Brasil, juntamente com os EUA, tem algumas negociações relacionadas a defesa, ambas nações importam e exportam produtos bélicos. Uma negociação de grande destaque é a venda de aeronaves A-29 Super Tucano da Embraer para a nação mais poderosa do mundo. O Super Tucano desempenha funções que despertam os olhos da USAF, tanto é que a empresa Sierra Aviation, nos EUA, fabrica os A-29 em território americano e a Força Aérea do Afeganistão usa as aeronaves para missões contra o Estado Islâmico.

Fora a comercialização de armamentos, as nações já participaram juntas de exercícios militares, tanto no âmbito naval na operação Unitas e no âmbito aéreo no exercício Cruzex comandado pela FAB com a participação de várias Forças Aéreas de países amigos. O Brasil já participou de edições da Red Flag, um importante exercício aéreo organizado pelos EUA, a última participação brasileira aconteceu em 2008, com aeronaves F-5EM do Esquadrão Pampa.

Além disso os países vão discutir a colaboração mútua e direta entre as forças aéreas.

 

Aeronaves

A visita de Mattis também rendeu novas aeronaves pousando no Aeroporto de Brasília, local onde fica a Base Aérea de Brasília, chamada de Ala 1 atualmente.

A que mais se destaca é o Boeing E-4B Nightwatch, uma versão modificada do Boeing 747-200 com várias alterações que tornam a aeronave ainda mais adaptada para uma situação crítica do planeta, inclusive contaminação radioativa e interferências eletromagnéticas, esta última uma situação que impossibilita a comunicação da aeronave com outras pessoas em solo.

Como é uma aeronave rara, e muito pouco uso, não há registros de um pouso recente desse avião no Brasil. Geralmente os EUA só usam o E-4B em missões que envolvam o Secretário de Defesa ou para acompanhar o Air Force One em outros tipos de missões que exijam uma segurança adicional, pela complexidade da situação. É um avião perfeito para retirar o presidente dos Estados Unidos com rapidez de uma situação que coloque a vida do mesmo em risco.

A zueira é tão grande que algumas pessoas usam esse avião no GTA V, um jogo com temática de violência urbana.

Como sempre, um Boeing C-17 Globemaster III acompanha a comitiva, trazendo veículos especiais, cargas específicas para a missão e suprimentos para todos os envolvidos com alto risco.

Aviões C-17 parados na Base Aérea de Brasília.

Na última missão dos Estados Unidos para o Brasil, trazendo o vice-presidente do país a bordo de um Air Force Two, também teve a presença de vários aviões C-17 nos dias anteriores e posteriores, mas dessa vez somente um avião acompanha a comitiva, que segue para o Aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, na tarde desta segunda-feira, seguido por um pouso em Buenos Aires (Ezeiza) na próxima quarta-feira de noite.