LATAM
Foto - Airbus/Divulgação

A American Airlines e o Grupo LATAM Airlines esperam enviar aos reguladores uma emenda à sua solicitação de “joint venture” antes do final do ano, revivendo um processo descarrilhado em Maio por um tribunal Chileno.

As transportadoras estão retirando o Chile do alcance geográfico do acordo já proposto em resposta à decisão do tribunal, que bloqueou o acordo por questões anticoncorrenciais.

“Teremos que fazer algumas alterações nos aplicativos, o nós que faremos nas próximas semanas”, diz Joe Mohan, vice-presidente da American Airlines para alianças e parcerias. “O Chile será removido do negócio conjunto”.

A LATAM e a American esperam impetrar a emenda com os reguladores antes do final de 2019. A American não respondeu imediatamente aos pedidos de mais informações sobre sua emenda.

As operadoras anunciaram no início de 2016 que assinaram um acordo para estabelecer a “joint venture” cobrindo voos para o Brasil, Chile, Colômbia, Paraguai, Peru e Uruguai. Tais acordos envolvem o estabelecimento de um negócio conjunto, com parceiros compartilhando receitas.

Diversos órgãos reguladores já aprovaram a proposta, inclusive no Brasil, na Colômbia, no Chile e no Uruguai, e as companhias pretendiam fechar o negócio no início de 2019, porém a suprema corte do Chile cancelou o acordo em maio.

Mohan, da American Airlines, minimiza os efeitos negativos que a remoção do Chile pode ter sobre os benefícios da “joint venture”. Como inicialmente previsto, o acordo teria se aplicado a voos de conexão fora de Santiago, mas a “joint venture” ainda pode cobrir muitos desses destinos dos outros aeroportos centrais da LATAM, de acordo com Mohan.

 

Via – FlightGlobal