Foto - Divulgação

O Solar Orbiter, construído pela Airbus, está pronto para ser lançado do Cabo Canaveral, na Flórida, no próximo domingo (9). A missão, desenvolvida em parceria com a Agência Espacial Europeia (ESA), revolucionará a percepção de como o Sol cria e controla a bolha gigante de plasma que envolve o Sistema Solar e influencia os planetas em seu interior.

A sonda construída no Reino Unido realizará uma passagem próxima ao Sol a cada cinco meses; na sua passagem mais próxima, o Solar Orbiter estará a apenas 42 milhões de quilômetros de distância, mais perto do que o planeta Mercúrio. Durante esses períodos, ele estará posicionado por vários dias aproximadamente na mesma região da superfície do Sol, à medida que o Sol gira em seu eixo. Isso permitirá observações inéditas da atividade magnética acumulada na atmosfera que pode levar a poderosas queimas e erupções.

O Solar Orbiter — que possui 10 instrumentos de sensoriamento in situ e remoto para tirar fotografias e medir o plasma do vento solar, espectros, campos, ondas e partículas energéticas muito próximas ao Sol — usará manobras auxiliadas pela gravidade de Vênus para percorrer sua órbita operacional elíptica e realizar outras manobras de sobrevoo para aumentar sua inclinação para observar o Sol em suas Regiões Polares pela primeira vez na história.

O satélite será submetido a temperaturas superiores a 500°C, que são suficientemente elevadas para derreter chumbo. Seu escudo térmico, com um revestimento chamado SolarBlack, estará continuamente voltado para o Sol, protegendo os instrumentos sensíveis localizados atrás dele, alguns dos quais precisarão ainda de aquecedores para mantê-los aquecidos e na temperatura ideal de operação.

“Após oito anos de projeto e fabricação, o Solar Orbiter está pronto para ser lançado e para estudar o Sol como nunca foi possível. Todos na Airbus estão empolgados conforme nos aproximamos do dia em que a espaçonave iniciará sua jornada rumo ao Sol”, relata Ian Walters, gerente de programa da Airbus para o Solar Orbiter.

A ESA escolheu em 2012 a Airbus Defence and Space em Stevenage para projetar e construir o Solar Orbiter, cuja vida útil da missão será de até 10 anos. O satélite já protagonizou missões de grandes destaques na Airbus, como o SOHO e o Ulysses, que forneceram notáveis insights ​​sobre o funcionamento do nosso Sol.

DEIXE UMA RESPOSTA