A Sonda Cassini será aposentada de vez em breve, ela vai entrar na atmosfera de Saturno e será esmagada pela grande pressão do planeta gasoso. Após 13 anos transmitindo dados de Saturno e suas luas, o dia 15 de setembro será marcado pelo início da reentrada.

A Sonda Cassini foi feita através de uma colaboração da ESA com a NASA, ou da União Europeia com os Estados Unidos. A sonda foi equipada com equipamentos de alta resolução, além de outros sensores de campo magnético e radiação para estudar melhor a atmosfera do planeta.

Serão 22 órbitas de mergulho na atmosfera de Saturno, que como já informamos acima, serão finalizadas no dia 15 de setembro. O mergulho na superfície de Saturno é para extinguir qualquer possibilidade de contaminação biológica em outros locais que eventualmente podem receber vida, mesmo que seja não inteligente, como bactérias e fungos.

“A missão tem sido insanamente, descontroladamente, lindamente bem sucedida, e está chegando a um fim em cerca de duas semanas”, disse Curt Niebur, cientista do programa Cassini.

Perspectiva artística da entrada em Saturno. Foto – NASA/JPL

A grande gravidade do planeta acelerará a Sonda até ela se desintegrar pegando fogo, antes mesmo de ser esmagada pela pressão da atmosfera, finalizando a missão que fez fotos extraordinárias de Saturno de suas luas, como a Titã, e também dos anéis, os sensores de alta resolução captaram detalhes dos anéis, que seriam impossíveis de serem obtidos à partir da Terra com a tecnologia atual.

Detalhe dos movimentos nos anéis de Saturno.

A sonda foi responsável por olhar para as luas de Saturno como nenhum outro equipamento observou até o momento, nem mesmo a básica Sonda Voyager estudou tanto o planeta como a Sonda Cassini. Ela continuará enviando dados até seu último momento no nosso planeta vizinho, possivelmente enviando fotos e dados que nunca foram obtidas anteriormente.