Foto - Southwest/Reprodução

A Southwest Airlines confirmou nesta última terça-feira (08/10) que dois de seus aviões Boeing 737 NG foram retirados da malha, devido à rachaduras nas asas.

Essas aeronaves foram inspecionadas com base na recente diretriz da FAA, que solicitou revisão da parte estrutural da asa em aviões com mais de 20000 ciclos de uso, e da família 737 NG, que teve sua asa alterada em comparação com a linha 737 Classic.

O pedido exige que as companhias aéreas, dentro de sete dias a partir de 03 de outubro, inspecionem as aeronaves que acumularam mais de 30.000 ciclos de voo. As aeronaves que registraram entre 22.600 e 29.999 ciclos devem ser inspecionadas dentro de 1.000 ciclos adicionais, diz o pedido.

A rachadura a ser analisada está em uma área que realiza a junção da asa com a fuselagem da aeronave.

Os técnicos de manutenção da Southwest vão proceder com o reparo dessas duas aeronaves nos próximos dias, algo que pode durar até dois meses, quando consideramos o tempo para o fornecimento dos componentes.

No geral, cerca de 500 aviões de companhias aéreas de todo o mundo foram inspecionados quanto ao problema. Até o momento, as rachaduras só foram encontradas em 25 aeronaves.

Apesar de sofrer com problemas relacionados ao 737 MAX, que está impossibilitado de voar desde março, esta paralisação temporária de dois aviões 737 NG não deve afetar drasticamente a frota da companhia, que tem mais de 710 aeronaves somente das linhas 737-700 e 737-800.