Rafale Egito
Caças Rafale DM da Força Aérea Egípcia. Foto Anthony Pecchi/Dassault.

Segundo o CEO da Dassault Aviation, Eric Trappier, a taxa de produção do caça Rafale deve aumentar de duas para três unidades ao mês. Ao aumento na fabricação da aeronave multimissão é resultado dos recentes sucessos de vendas do caça francês. 

Durante a apresentação dos resultados anuais, Trappier disse que a produção aumentará para “cadência de três” aviões, nos próximos anos. A taxa atual de produção da Dassault é de dois Rafales ao mês. “As encomendas são tantas que teremos que acelerar para cumprir os prazos dos contratos nos próximos anos”, disse Trappier.

Dassault Rafale
Dassault Rafale F3-R. Foto: Dassault/Divulgação.

Em 2021, a fabricante obteve 49 pedidos para o modelo: 31 para o Egito, 12 para a França e seis para a Grécia. Segundo o portal Flightglobal, a carteira de pedidos do Rafale no final do ano era de 86 aeronaves, das quais 46 são para exportação.

Contudo, o portal também observa que esses números não incluem os pedidos de grande sucesso dos Emirados Árabes Unidos (80 aeronaves) e da Indonésia (42 aeronaves), assinados, respectivamente, em dezembro de 2021 e fevereiro deste ano. 

Em paralelo, a Grécia também deve adquirir mais seis aeronaves depois de obter a aprovação parlamentar para o acordo no início deste ano. Já a França deve assinar a compra de pelo menos mais 42 unidades em 2023, com entregas previstas para 2027.

Trappier explica que enquanto as entregas das aeronaves dos Emirados Árabes não devem começar antes de 2026, as do Egito e da Indonésia devem ocorrer “no curto prazo”, levando a um “pico em nossa produção”. O executivo diz que a empresa ainda poderá acomodar pedidos adicionais, se necessário, mesmo no curto prazo.

Dassault Rafale Catar
Caças Dassault Rafale da Força Aérea Catariana. Foto: Dassault.

No entanto, o aumento da produção só deve ocorrer em 2023. É previsto que a Dassault entregue 13 caças em 2022, 12 a menos que no ano passado. As aeronaves são todas de pedidos de exportação e serão despachadas para Índia e Egito. Em janeiro, a Força Aérea Helênica recebeu os seis primeiros Rafales adquiridos em 2021. Contudo, estas aeronaves são usadas, oriundas da Força Aeroespacial Francesa. 

As entregas do Rafale para a França foram interrompidas por vários anos “devido a algumas escolhas orçamentárias” e provavelmente serão retomadas a partir de 2023 ou além. “Muitas vezes, o Rafale é a variável de ajuste no orçamento francês”, observa Trappier. “É bom que tenhamos pedidos de exportação, caso contrário teríamos problemas para manter a linha de produção.”

No ano passado, a Croácia também se juntou à lista de operadores Rafale, assinando 12 exemplares de segunda mão da França. Sérvia e Iraque também teriam interesse em comprar o caça francês