F-35 A Manutenção
Foto: Connor J. Marth/USAF.

A Força Aérea Real Tailandesa (RTAF) confirmou seu interesse no caça stealth F-35 em detrimento do Gripen E da sueca Saab. Segundo o comandante da organização, Napadej Dhupatemiya, o desejo é adquirir oito unidades do modelo de 5ª Geração da Lockheed Martin.

Falando ao Bangkok Post, Napadej disse que a RTAF precisa de uma nova frota de caças, já que os F-5 e F-16 completaram mais de três décadas em serviço. Com o avanço da idade, as aeronaves se tornam mais caras de manter, além do aumento dos riscos operacionais, aponta o jornal. Recentemente, um dos F-5 recém modernizados foi perdido em um acidente. 

F-35 I Adir IAF
F-35I Adir da IAF. Foto: IAF via Twitter.

O Comandante da RTAF afirma que o F-35 surgiu como a melhor opção, agora que os custos foram reduzidos. Enquanto o Saab Gripen E (adquirido pelas forças aéreas do Brasil e da Suécia) tem um custo de aquisição por unidade de US$ 85 milhões, o F-35 pode ser comprado por US$ 82 milhões. Quando chegou ao mercado, o F-35 custava US$ 142 milhões.

Napadej também disse que, dependendo das negociações, o F-35 pode ser adquirido por pouco mais de US$ 70 milhões a unidade. No entanto, Steve Trimble do portal Aviation Week, observa que o preço do F-35A deve cair para US$ 77,9 milhões neste ano, devendo se manter assim ou aumentar com a chegada das maiores atualizações do Bloco 4. 

Napadej falou que o planejamento orçamentário para aquisição do F-35 deve começar a partir do ano fiscal de 2023, afirmando que a RTAF está preparada para responder todas as questões caso siga em frente com o projeto. Um comitê será formado para estudar o programa de aquisição de aeronaves para justificar o pedido de financiamento da Força Aérea, disse ele.

Segundo o oficial, a RTAF não está comprando armas mas implementando segurança para defender o povo e os interesses da nação. Ele expressou confiança de que, se o público estiver na mesma página que a Força Aérea, ele apoiará o programa. Dadas suas vantagens tecnológicas, os jatos F-35 atenderão às necessidades do país de aumentar seu poder aéreo, uma parte vital da guerra moderna, disse ele.

Saab Gripen E
JAS-39E Gripen. Foto: Jamie Hunter/Saab.

Se a compra se concretizar, o fato representará mais uma “derrota de mercado” para o Gripen E. O delta-canard sueco “perdeu” para o F-35 na concorrência finlandesa H-X. O modelo segue disputando na Índia, Canadá e Filipinas

Napadej disse que a Força Aérea também está interessada em operações aéreas modernas, especialmente aquelas envolvendo o Loyal Wingman, um veículo aéreo não tripulado. Desenvolvido pela Força Aérea Real Australiana em conjunto com a Boeing, o drone voa em conjunto com aeronaves tripuladas, fornecendo suporte e podendo ser equipado com armamentos.

“Não exigimos uma frota completa de jatos F-35. Podemos usar apenas oito a 12 e drones para voar ao lado da aeronave tripulada”, disse o Marechal Napadej. “Isso ajudará a economizar custos. Isso é relativamente novo, mas essas tecnologias provavelmente se desenvolverão rapidamente.”

Loyal Wingman RAAF Boeing
O drone Loyal Wingman da Boeing Australia.

“Se a Força Aérea receber apoio do público, incluindo políticos, e se pudermos pagar, [a Força Aérea] se moverá para atualizar e fortalecer seu poder aéreo”, disse ele, acrescentando que uma proposta será submetida ao Primeiro Ministro e ao Ministro da Defesa para consideração quando for finalizada pela Força Aérea.

DEIXE UMA RESPOSTA