F-16 Taiwan túneis hangar subterrâneo mísseis
Técnicos da ROCAF carregam um míssil antinavio AGM-84L Harpoon em um F-16. Foto: ROCAF.

A Força Aérea de Taiwan (ROCAF) divulgou uma série de imagens raras, mostrando caças F-16 Fighting Falcon sendo armados com mísseis reais dentro de um de seus enormes complexos de hangares subterrâneos.

As fotos foram postadas pela ROCAF na última terça-feira (26) através de sua página no Facebook. Na publicação, a Força Aérea diz que a ação foi conduzida no segundo dia do Exercício Han Kuang, realizado anualmente para testar os militares em caso de um ataque massivo da China. 

túneis complexo subterrâneo montanha Taiwan
F-16 recebendo mísseis AIM-9, AIM-120 e AGM-84 nas instalações subterrâneas da Base Aérea de Chiashan. Foto: ROCAF.

Nas imagens é possível ver militares da 5ª Ala Tática Composta carregando caças F-16 com mísseis ar-ar AIM-120C AMRAAM e AIM-9L/M Sidewinder, bem como o antinavio AGM-84L Harpoon, tudo isso dentro de um dos dois enormes complexos subterrâneos da ROCAF.

Interessantemente, os armamentos também carregam as faixas marrom e amarela, indicando que são, de fato, mísseis reais, para combate, e não de treinamento. 

Foto. ROCAF.

De acordo com o autor e jornalista taiwanês Roy Choo, o exercício aconteceu nos túneis da Base Aérea de Chiashan. Em seu livro Modern Taiwanese Air Power, Choo explica que a construção da rede de túneis começou em 1984 em uma montanha de granito, sendo concluída oito anos depois a um custo estimado em US$ 1 bilhão.

A base, voltada para o Pacífico, tem 5 entradas para seu enorme complexo subterrâneo, inspirado no New Austrian Tunnelling Method. Segundo Choo e a mídia local, os hangares podem receber até 200 aviões de caça e abrigam uma série de geradores, instalações hospitalares, infraestrutura de Comando e Controle e mantimentos para vários meses.

 

O autor diz que a base já recebeu visitantes, mas registros fotográficos das instalações subterrâneas não eram permitidos. Dessa forma, esta é a primeira vez que os túneis foram expostos publicamente. 

No Twitter ele diz que especulações mais antigas apontavam que o complexo não tinha sistemas de exaustão para permitir que os caças fossem acionados ainda no interior, fazendo com que eles tivessem que ser rebocados para o lado de fora. Atualizando, ele diz que “não se sabe se esta falha é verdadeira e se foi corrigida.”

A publicação, especialmente com os mísseis antinavio Harpoon, pode ser uma maneira de Taiwan mandar um recado para a China, especialmente em face aos recentes desenvolvimentos da crise na região, com a possível visita de Nancy Pelosi ao país.

A notícia de que Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, poderá visitar Taiwan nos próximos dias, gerou uma séria reação da China. Pequim diz que os EUA terão que “arcar com todas as consequências” se Pelosi e sua comitiva pousarem em Taiwan.

A pequena ilha é vista pelos chineses como um território separatista rebelde. Enquanto os taiwaneses seguem buscando a independência plena, Pequim faz constantes ameaças de guerra e tomada completa do território.