Caças J-11 chineses.

(Reuters) – O Ministério da Defesa de Taiwan afirmou que um avião de reconhecimento dos EUA e mais seis caças e um avião de reconhecimento chinês entraram em sua Zona de Identificação de Defesa Aérea (ADIZ) nesse fim de semana. 

As tensões aumentaram na última semana depois que Taiwan relatou intensa atividade de aeronaves militares em sua ADIZ no fim de semana passado, em uma área perto das ilhas Pratas, controladas por Taiwan, na parte norte do Mar da China Meridional.

As missões chinesas coincidiram com a entrada de um grupo de porta-aviões dos EUA no Mar da China Meridional para o que os militares norte-americanos chamaram de deslocamento de rotina. Os Estados Unidos criticaram os voos chineses.

O Ministério da Defesa disse que um total de sete aeronaves chinesas voaram para as mesmas águas perto das Ilhas Pratas no domingo – dois caças J-10, quatro caças J-11 e um avião de reconhecimento Y-8.

Caças Mirage 2000 e F-CK-1 da Força Aérea Taiwanesa. Foto: Ministério da Defesa Taiwanês.

O Ministério acrescentou que uma aeronave de reconhecimento dos EUA também estava presente na mesma parte sudoeste da zona de defesa, mas não informou o tipo de aeronave nem forneceu detalhes de sua rota de voo, contrariando o que faz ao informar sobre os voos chineses. 

Foi a primeira vez que Taiwan mencionou a presença de uma aeronave norte-americana desde que começou a divulgar, quase diariamente, as atividades chinesas em sua ADIZ em meados de setembro.

Taiwan raramente fala publicamente sobre as atividades dos EUA nas proximidades, normalmente quando navios de guerra norte-americanos navegam pelo Estreito de Taiwan, embora fontes diplomáticas e de segurança digam que há frequentes atividades aéreas e navais dos EUA perto da ilha.


F-16C de Taiwan interceptando um bombardeiro chinês H-6. Foto: Força Aérea Taiwanesa.

A China endureceu sua diplomacia em relação a Taiwan na semana passada, alertando depois de intensificar suas atividades militares que “independência significa guerra” e que suas forças armadas estavam agindo em resposta à provocação e interferência estrangeira.