F-16C de Taiwan interceptando um bombardeiro chinês H-6. Foto: Força Aérea Taiwanesa.

(Reuters) – Vinte aeronaves militares chinesas entraram na zona de identificação de defesa aérea de Taiwan na sexta-feira, na maior incursão já registrada pelo ministério da defesa da ilha e marcando uma dramática escalada de tensão no Estreito de Taiwan.

O ministério da defesa da ilha disse que a Força Aérea implantou mísseis para “monitorar” a incursão na parte sudoeste de sua zona de identificação de defesa aérea. A empresa também disse que seus aviões alertaram as aeronaves chinesas, inclusive por rádio.

Foi a maior incursão da Força Aérea chinesa até o momento desde que o Ministério da Defesa de Taiwan começou a divulgar voos militares chineses quase diários sobre as águas entre a parte sul de Taiwan e as ilhas Pratas, controladas por Taiwan, no Mar da China Meridional no ano passado.

Bombardeiro chinês H-6K

Algumas das aeronaves chinesas voaram no espaço aéreo ao sul de Taiwan e passaram pelo Canal Bashi, que separa a ilha das Filipinas, disse o ministério da defesa de Taiwan em um comunicado.

Uma pessoa familiarizada com o planejamento de segurança de Taiwan disse à Reuters que os militares chineses estão conduzindo exercícios que simulam uma operação contra navios de guerra americanos que navegam pelo Canal Bashi.

A China, que reivindica Taiwan como seu próprio território, intensificou as atividades militares perto da ilha democrática nos últimos meses, uma medida que Taiwan diz que põe em risco a estabilidade regional.

A presença de tantos aviões de combate chineses na missão de sexta-feira – Taiwan disse que era composto de quatro bombardeiros H-6K com capacidade nuclear e 10 jatos de combate J-16, entre outros – foi incomum e ocorreu quando a força aérea da ilha suspendeu todo o treinamento missões após dois caças a jato esta semana.

Não houve comentários imediatos do ministério da defesa da China. Pequim rotineiramente diz que tais exercícios não são incomuns e têm o objetivo de mostrar a determinação do país em defender sua soberania.

Bombardeiro H-6 chinês sobrevoa o Mar da China Oriental – Foto: DIVULGAÇÃO via REUTERS

Na manhã de sexta-feira, Taiwan e os Estados Unidos assinaram seu primeiro acordo sob a administração do novo presidente Joe Biden, estabelecendo um Grupo de Trabalho da Guarda Costeira para coordenar a política, após a aprovação de uma lei pela China que permite que sua guarda costeira atire em navios estrangeiros.

Embora os Estados Unidos, como a maioria dos países, não tenham laços diplomáticos formais com Taiwan, são obrigados por lei a ajudar Taiwan a se defender e são o principal fornecedor de armas da ilha.