TAP

Enquanto o preço do barril do petróleo continua aumentando a cada dia, a presidente da TAP Air Portugal, Christine Ourmières-Widener, declarou durante uma reunião que a alta no preço do querosene gerará um impacto adicional de 300 milhões de euros para a companhia aérea.

Este será o valor adicional do custo de operação da empresa, que irá subir. A TAP havia declarado anteriormente que esperava compensar parcialmente este impacto com uma receita maior da empresa. Até o final do ano não há expectativas de redução de custos.

Apesar da alta dos custos operacionais, Christine declarou que o plano de recuperação da empresa continuará sendo executado, e já está dando bons resultados.

“Antecipamos um impacto de cerca de 300 milhões de euros com a subida dos preços dos combustíveis. Estamos a tentar mitigar esse custo, acrescentando combustíveis que permitirão mitigar e outras medidas”, disse Christine Ourmières-Widener na Comissão de Economia, Obras Públicas, Planeamento e Habitação da Assembleia da República de Portugal.

“O plano [de restruturação] vai criar uma TAP nova e rejuvenescida, que nos vai dar os resultados que queremos”, comentou Christine sobre o processo de recuperação.

A companhia ainda continua enfrentando desafios, no entanto, como a falta de trabalhadores, limitações da frota para expandir voos e também operacionais no Aeroporto Humberto Delgado, que não teve até o momento suas obras de ampliação concluídas. Por este motivo, nos próximos dias a TAP deverá abrir vagas para comissários de voo (tripulantes de cabine), para conseguir aumentar a oferta de assentos no período de verão.

 

Via: ECO