F-16 USAF EUA OTAN Romênia
Seis caças F-16 foram enviados da Itália para a Romênia em substituição a outro destacamento. Foto: Tech. Sgt. Maeson L. Elleman/USAF.

Os Estados Unidos seguem movimentando seus ativos militares na Europa, em face à tensão no continente por conta da guerra entre Ucrânia e Rússia. Na última sexta-feira (29) a Força Aérea dos EUA na Europa (USAFE) implantou seis caças F-16 Fighting Falcon na Romênia. 

As aeronaves do 510º Esquadrão de Caça Expedicionário (EFS) foram transferidas da Base Aérea de Aviano, na Itália, e agora estão operando a partir da base romena de Fetesti.

Caças do 480º Esquadrão Expedicionário da base alemã de Spangdahlem estavam na Romênia há três meses. Foto: Tech. Sgt. Maeson L. Elleman/USAF.

Os seis aviões estão substituindo um destacamento do 480th EFS, também de caças F-16, da base de Spangdahlem, na Alemanha. Estas aeronaves estavam na Romênia desde o dia 14/02, participando de missões de Policiamento Aéreo Aprimorado (eAP) da OTAN na região do Mar Negro, apoiando forças da Itália, Reino Unido e da própria Romênia. 

“A presença contínua dos F-16 dos EUA na região sudeste garante capacidade crítica para a missão de policiamento aéreo e fortalece a prontidão coletiva da OTAN”, disse o General Jeff Harrigian, comandante da USAFE. “Nossa capacidade de operar lado a lado com nossos aliados regionais reforça nossa defesa coletiva e interoperabilidade em todo o flanco leste”.

Foto: Tech. Sgt. Maeson L. Elleman/USAF.

Os aviadores do 510º EFS continuarão a missão do 480º EFS e trabalharão em estreita colaboração com os Eurofighter Typhoon italianos que protegem os céus daquela região desde dezembro de 2021, destaca a USAFE. 

Após a anexação da Crimeia pela Rússia em 2014, a OTAN implementou medidas de garantia com o objetivo de garantir a estabilidade regional e assegurar os países Aliados. Fundamental para este esforço é o eAP, que demonstra a solidariedade da OTAN, determinação coletiva e capacidade de escalar missões defensivas em resposta a uma situação de segurança em evolução.

A OTAN já estava reforçando seu flanco leste antes mesmo do início das hostilidades entre russos e ucranianos, que já se encaminha para completar três meses.
Agora, uma série de ativos – incluindo caças, helicópteros, tropas e plataformas de inteligência – estão presentes na Europa Oriental para manter sua postura de defesa naquela região.