An-30 Rússia Suécia Espaço Aéreo
Aeronave An-30 Clank da Rússia foi interceptada pela Força Aérea Sueca. Foto: Forças Armadas da Suécia.

Em meio às tensões da guerra no Leste Europeu, um avião militar russo violou o espaço aéreo da Suécia na noite da última sexta-feira (29). Esta é a segunda vez que um incidente do tipo ocorre em quase dois meses. 

Segundo a Flygvapnet (Força Aérea Sueca), um turboélice bimotor Antonov An-30 Clank da Força Aérea Russa violou o espaço aéreo do país por um curto período de tempo e depois deixou a área.

O avião estava localizado a leste de Bornholm e depois voou em direção ao território sueco. Caças JAS-39 Gripen foram acionados e interceptaram a aeronave, que também foi fotografada pelos aviadores suecos. 

No início de março, poucos dias depois da invasão russa na Ucrânia, um grupo de caças e jatos de ataque Su-24 e Su-27 invadiram o espaço aéreo sueco, também por um curto período de tempo. Na ocasião as aeronaves também foram interceptadas por caças Gripen. 

Rússia Suécia Interceptação
Aeronaves russas interceptadas por caças Gripen após violarem o espaço aéreo sueco em março. Foto: Força Aérea Sueca.

Ironicamente, a aeronave interceptada nesta semana possuía a inscrição “Open Skies” na fuselagem. O Tratado Open Skies entrou em vigor no início dos anos 2000, promovendo maior transparência e confiança militar entre seus membros. No entanto, Rússia e EUA saíram do acordo em 2020 e 2021, respectivamente. 

O Comandante da Flygvapnet, Carl-Johan Edström, e o Ministro da Defesa, Peter Hultqvist, condenaram a ação russa. 

“Acho irresponsável e pouco profissional voar tão perto das fronteiras de um país com aeronaves militares”, disse Edström ao portal de notícias SVT. 

Caça JAS-39C Gripen da Força Aérea Sueca, armado com mísseis AMRAAM e Sidewinder. Foto: Saab.

“Não há razão para voar tão perto que você possa entrar acidentalmente no território de um país, você pode estar a 10-15 quilômetros da fronteira, então coisas assim não precisam acontecer”. Ainda assim, ele não descarta a hipótese de um erro de navegação. 

Hultqvist, por outro lado, foi bem mais enfático e disse que a violação do espaço aéreo é completamente inaceitável. Vamos, é claro, registrar isso diplomaticamente. A ação não é profissional e, dada a situação geral de segurança, extremamente inadequada. A soberania sueca deve ser sempre respeitada.”

Até o momento não houve qualquer comentário de autoridades russas.