Clique Aqui e receba as principais Notícias da Aviação em tempo real diretamente no seu Whatsapp ou Telegram.

AH-64 Apache- Foto: Exército dos EUA

A Austrália está selecionando um novo helicóptero de ataque e duas grandes empresas internacionais estão oferecendo seus equipamentos. A Airbus Military, oferece o Tiger (versão atualizada) já a norte-americana Boeing, o AH-64E Apache.

A empresa europeia deu a proposta de seu equipamento por um valor de US$ 3 bilhões, e segundo a Airbus, o Tiger poderá voar mesmo depois de 2040, considerando sua extensa vida útil.

Helicópteros AH-64 Apache- Foto: Autor desconhecido

A Boeing também disse que o AH-64E (versão mais recente do Apache), poderá voar além de 2040. Tanto a Boeing quanto a Airbus enfatizaram as oportunidades industriais locais.

A aquisição de um novo lote é para substituir a atual frota do exército australiano composto por 22 tigers. A nova leva é de 29 novos helicópteros.

Tiger do exército australiano- Foto: Defesa Austrália

“O Tiger é um helicóptero de reconhecimento armado extremamente ágil, eficaz e conectado digitalmente”, diz Andrew Mathewson, diretor da Airbus Austrália Pacific.

“O AH-64E Apache da Boeing é conhecido por sua capacidade de sobrevivência, sustentabilidade, interoperabilidade e reconhecimento”, diz Terry Jamison, da Boeing Defense, Space and Security. “Como operadora Apache, a Austrália se juntaria a países da coalizão, incluindo EUA e Reino Unido, e parceiros regionais Cingapura, Indonésia, Japão e República da Coreia.”

Uma terceira empresa também pode entrar na concorrência, a também norte-americana, BELL, com o AH-1Z Viper.

Bell AH-1Z Viper- Foto: Bell

“O Bell AH-1Z Viper, comprovado em combate, é o único helicóptero de ataque marinizado do mundo, projetado e construído especificamente para operações expedicionárias e marítimas”, diz Bell. “A marinização é mais do que apenas proteção contra a corrosão contra a água salgada. Ao contrário de complementos não comprovados e caros, a marinização da Bell começa no design da aeronave e é incorporada à aeronave no ponto de fabricação para garantir a conformidade com as operações a bordo do navio”.

As Forças Armadas da Austrália tem um considerável histórico de armamentos vindo dos EUA, prova disso é a sua força aérea (RAAF), que ainda opera caças Boeing F/A-18 Super Hornet e caças de 5º geração F-35.

 

Fonte de apoio: Flight Global / Adaptação: Aeroflap

DEIXE UMA RESPOSTA