Em assembleia realizada nesta quinta-feira (07/02), em São Paulo, os tripulantes da Avianca associados ao SNA aprovaram um modelo de proposta a ser apresentado à companhia para buscar a garantia dos empregos de pilotos e comissários durante o mês de março de 2019, com uma adequação temporária na remuneração.

Esse modelo de proposta ainda será colocado em votação para todo o grupo de tripulantes, de forma virtual (on-line), até o fim da próxima semana, quando estará encerrada a fase de adesão aos planos de licença não-remunerada e demissão voluntária.

Desta forma, com o número exato do excedente de tripulantes para cada função ao fim da adesão a estes programas, o que ocorrerá no dia 13 de fevereiro, será possível finalizar o modelo de proposta aprovado nesta quinta, com o cálculo da redução salarial exata a ser aplicada para que seja possível não haver demissões no mês de março.

A premissa é a redução da remuneração fixa, somente no mês de março, proporcional ao percentual de excedente de tripulantes, com cálculo feito por função e com o devido aumento proporcional do número de folgas.

A proposta final, como citado, será levada a deliberação por votação de todo o grupo antes de ser encaminhada à Avianca. Tal votação será feita on-line, remotamente, e será feita separadamente para comandantes, copilotos e comissários —ou seja, uma função poderia aceitá-la e outra rejeitá-la.

Ressaltamos que caberá à empresa aceitar ou não a proposta dos tripulantes ou ainda elaborar uma contraproposta.

O modelo de proposta aprovado na assembleia desta quinta consiste em:

  • A Avianca dará garantia de emprego a todos os tripulantes no mês de março, caso ainda exista excedente após o encerramento do período de adesão aos programas LNR e PDV;
  • Adequação dos salários somente no mês de março;
  • Reabertura dos programas LNR e PDV;
  • Abertura de um programa voluntário de jornada parcial de trabalho, por no máximo três meses, em que o tripulante que aderir, por sua vontade, terá 20 folgas por mês, com redução pela metade da remuneração fixa, da franquia e a consequente redução na remuneração variável.

O fundamento da proposta é dar garantia de emprego a todos, evitando demissões involuntárias, mesmo havendo um excedente de tripulantes

 

Pesquisa preliminar

Em uma pesquisa preliminar, de caráter meramente consultivo, 646 tripulantes responderam sobre uma possível aceitação de adequação temporária na remuneração visando a manutenção dos empregos. Confira os resultados:

Comandantes
Votos a favor – 80 (73,39%)
Votos contra – 29 (26,61%)

Copilotos
Votos a favor – 112 (91,06%)
Votos contra – 11 (8,94%)

Comissários
Votos a favor – 283 (68,36%)
Votos contra – 131 (31,64%)

 

Via – SNA